Biblioteca
Português

Uma mãe para alugar.

198.0K · Finalizado
sunflowerfield
175
Capítulos
31.0K
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

O dinheiro não pode comprar tudo. Jeremy nunca acreditou que essa frase fosse falsa até ao dia em que ouviu aquelas três palavras que o partiram completamente "Ela não conseguiu". Naquele instante, ele podia sentir o seu mundo perfeito a desmoronar-se. Por muito dinheiro que tivesse, absolutamente nada podia trazer de volta o amor da sua vida, a sua esposa, a sua bela Marie, e o responsável por tudo isto era um pequeno bebê que ele certamente não queria saber. Ele manteve a sua mulher escondida, longe da imprensa e da sua própria família, mas isso não podia durar muito, a sua família chegaria em breve para se encontrar com o herdeiro que lhe impuseram para continuar a ser o CEO da filial de Washington da sua empresa. Em desespero, ele conhece Eva, uma mulher destituída que acabara de ter um bebê na mesma noite, e propõe um acordo louco. Ela tornar-se-ia a sua esposa e criaria o seu e o seu bebê juntos. Havia apenas três condições. Ela não podia fazer qualquer diferença com os bebês, nunca revelaria a verdade sobre eles a ninguém, e não podia divorciar-se deles até aos dezoito anos.

dramaromancemimos docesamoramor verdadeirobeauanybilionáriosenhora protagonistaanygabriellydominantepossessivofeminina

1. Eu nunca vou segurá-lo em meus braços.

O dinheiro não pode comprar tudo, Jeremy nunca acreditou que essa frase não fosse verdade até o dia em que ouviu aquelas três palavras que o quebraram completamente "Ela não sobreviveu". Naquele momento ele pôde sentir seu mundo perfeito desmoronar, por mais dinheiro que tivesse, absolutamente nada poderia trazê-lo de volta ao amor de sua vida, sua esposa, sua linda Marie, e a responsável por tudo era um bebezinho que ele certamente não queria saber de nada.

- Eu não quero fazer isso- Jeremy assegurou com lágrimas nos olhos quando a enfermeira se aproximou dele com um pequeno bebê recém-nascido em seus braços para entregá-lo a ele.- Eu não quero segurar essa coisa.

- Não é nada, Sr. Duncan, é seu filho...

- Ele a matou, ele matou Marie e eu nunca vou segurá-lo em meus braços.

A enfermeira não conseguia entender como alguém poderia culpar um bebê recém-nascido pelo fato de sua mãe não ter sobrevivido ao parto. O que ficou claro é que essa criança precisava de cuidados, mas acima de tudo amor.

- Senhor, ele não tem culpa de nada, ele é apenas um bebê e sem mãe precisa de atenção redobrada e amor do pai, tem que ver que serzinho inocente é...

Jeremy olhou para o pequeno assassino de sua esposa dormindo pacificamente nos braços daquela mulher e negou, sem ao menos deixá-la terminar seu discurso, ele apenas saiu correndo do berçário apavorado, ele estava começando a se afogar, ele precisava se afastar dele e pensar em como para criar sua esposa, aquela coisa sem ter que prestar atenção nisso.

Ele caminhava rapidamente pelo corredor quando a voz de duas mulheres conversando e, principalmente, o conteúdo daquela conversa chamou sua atenção.

- Mas como vou pagar a conta do hospital? - perguntou uma das duas mulheres enquanto segurava um bebezinho nos braços, a ternura com que ela observava o filho o silenciou.Será que Marie também teria aquela expressão nos olhos? Eu nunca saberia, ela não estava mais lá para verificar.

Jeremy negou, isso não importava mais, sua esposa se foi e ele era incapaz de amar o ser que havia causado sua morte, ele era incapaz de dar a ela algo mais do que uma babá e uma boa educação, era muito mais do que muitos pais poderiam prover para seus filhos.

Ele olhou novamente para a expressão daquela mulher e pensou em Marie novamente, talvez ele devesse honrá-la, talvez ele devesse dar ao filho o que ela queria que ele tivesse, mas como ele poderia pensar em substituí-la? Ela respirou fundo, preparou-se e entrou na sala sem nem mesmo pedir permissão às duas mulheres lá dentro.

- Eu pagarei sua conta, se você aceitar minhas condições nunca mais terá que se preocupar com dinheiro.

Lupe não sabia o que dizer a sua amiga Eva, com muita dificuldade, e ela havia conseguido convencer os médicos e enfermeiras a vê-la na noite anterior, e agora, vendo as contas do hospital, seu coração disparou, ela estava prestes a desista, diga a ela que eles veriam como pagar por eles, para não se preocupar quando a voz de um homem chegasse até eles.

“Por que você pagaria minha conta?” Eva perguntou imediatamente, abraçando mais seu pacotinho. Ela tinha ouvido de seus conhecidos que os gringos gostavam de comprar crianças recém-nascidas "Eu não teria como pagar e não vou te dar meu bebê", ela se apressou em dizer com os olhos vermelhos de tanto que ela estivera chorando.

-Desculpe, senhor. Minha amiga acabou de ter seu bebê e ela está um pouco nervosa- Lupe tentou empurrar aquele homem para o lado, ela viu isso como uma oportunidade para sua amiga se livrar de problemas.

Deixa eu falar com ela...

-Eva Rodríguez, você deve pagar a conta e sair da cama hoje sem falta.

A voz da enfermeira naquele momento fez Eva olhar para o homem à sua frente.

- Por favor, vocês dois podem sair do quarto?- O homem perguntou, embora parecesse mais uma ordem do que um pedido - Ela vai pagar, não se preocupe.- Ele assegurou, fazendo a enfermeira sair e o amigo olhar desconfiado para Eva, embora depois ele também tenha saído da mesma forma que a enfermeira havia feito, ele descobriria depois o que aquele homem queria, agora o principal era resolver o problema.

- Devo presumir que se não há nenhum homem aqui, você não é casada, certo? Existe um pai que possa reivindicar seu filho?- Jeremy perguntou sentando-se na cadeira que havia arrumado perto da cama para as visitas.

- E não, não pretendo tirar seu filho.

A maneira como aquele bebê dormia pacientemente nos braços daquela mulher o comovia, nada o fazia desviar o olhar daquela imagem que lhe era tão terna, que não podia deixar de fantasiar por um momento pensando em sua Marie.

Há apenas um ano, apenas um ano desde que descobrira o amor ao lado de sua esposa e por causa de sua pressa sangrenta de conceber o herdeiro que o patriarca Duncan, seu pai, estava pedindo, agora sua esposa estava morta, no fundo ele sabia que o bebê não era o assassino de Marie, mas ele mesmo e seu desejo de poder. Mas agora a vida tinha mostrado a ela que o dinheiro não só não poderia lhe dar tudo, mas que a ganância poderia tirar o que mais importava para ela.

Eva não conseguia parar de tremer por dentro, porque por fora só se via a imagem de uma mãe abraçando carinhosamente seu filho. À menção de um homem ao seu lado, ela teria vontade de dizer que, se não houvesse, ela balançou a cabeça antes de falar.

"Não, não há ninguém", ela balançou a cabeça e com a boca, "não há homem que queira reivindicar minha filha." Seu marido, o homem com quem ela havia cruzado a fronteira há mais de seis anos, tinha Abandonou-a. Certa vez, ela disse a ele que estava grávida. "Se você não planeja tirar minha filha de mim, quais seriam essas condições de que você está falando?"

- Vou direto ao ponto, minha esposa morreu no parto e não tenho tempo para cuidar disso…. Amor... - foi difícil para ela chamá-lo assim e não se referir a ele como assassino - você não tem recursos para cuidar da sua filha, acho que você nem tem condições de cuidar dela ela como ela merece, ou se recuperar como uma mulher precisa após o parto, obviamente você dificilmente deveria sair daqui se não puder nem pagar o hospital.

Ele fez uma pausa, sabia que estava sendo rude ao falar, mas naquele momento em que sua vida desmoronou completamente, ele não parou para pensar se feriu os sentimentos de alguém ou não.

Ela estava atenta às palavras que este homem lhe dizia, a maneira como ele falava com ela, embora fosse rude, também denotava o quanto ela estava sofrendo naquele momento, o quanto era difícil para ela dizer o que ela estava tentando propor a ela. Além disso, ele estava certo em suas palavras, não tinha recursos para sustentar sua filhinha.

- O que eu quero é que você se torne minha esposa e crie nossos filhos como se fossem seus, sem nenhuma diferença entre eles e que eles nunca saibam a verdade - fixou o olhar na jovem - isso é essencial. vê-se capaz de adotar outro bebê e montá-lo da mesma forma que fez com aquela menina?

Mas, mesmo assim, Eva não estava preparada para o que este homem lhe proporia.

Ela abriu não só os olhos, mas também a boca com a proposta do homem.

- Deixe-me ver se entendi. Você quer que eu me case com você e crie seu filho e sua filha como se fossem nossos?

- A única coisa que você tem que saber por enquanto é que se você aceitar, vai sair desse hospital casada com um homem muito rico. Ele vai adotar meu filho e eu vou adotar legalmente a filha dele, ela terá a mesma educação, benefícios e claro herança do meu filho biológico. Haverá apenas três condições irrefutáveis em nosso contrato; Você não fará diferenças com nossos filhos, nunca revelará a verdade sobre eles a ninguém e não poderá se divorciar de mim até que eles tenham dezoito anos, se você deixar de cumprir qualquer uma dessas coisas, eles permanecerão em meus cuidados e você terá o regime de visitas estipulado por um juiz.- nem mesmo ele foi capaz de acreditar que estava propondo isso a outra mulher quando o corpo de sua esposa ainda não estava frio - tomaremos qualquer decisão sobre eles aos cinquenta e não sei se você gostaria de acrescentar alguma outra cláusula, Estou sempre disposto a negociar e quando isso não afetar os três pontos inegociáveis que já falei.

Eva viu que as cláusulas eram simples e só incluíam os filhos, não dizia nada sobre ela e seu dever de esposa, não é que ela queria ter intimidade com o homem, o pai de sua filha a fez odiar cumprir esse papel .

Eva mordeu os lábios pensando no que deveria ou não fazer, l

o gorgulho que saiu dos lábios da filha fez com que ela se voltasse para olhá-la, levando-a a tomar uma decisão.

"Vou aceitar suas cláusulas sozinha, com algumas condições", ela respondeu, olhando-o nos olhos, com uma determinação que não sabia de onde vinha, mas que a ajudou a aceitar o acordo daquele estranho.