Biblioteca
Português

Terror no metrô CDMX

60.0K · Finalizado
Flagranti Amore
32
Capítulos
39
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

Pancho, um dos muitos condutores que o metrô da Cidade do México teve ao longo de sua história, é o personagem que se apaixona por outra funcionária, Elsa, uma mulher que busca melhorar e se libertar dos maus-tratos a que foi submetida por seu parceiro durante vários anos. Esses dois personagens se conhecem no início da criação do Metrô e começam a viver uma história de amor, na qual buscam sua felicidade, além de criar um lar. O problema é que Pancho tem uma esposa, Hortensia, e uma filha, Paquita, embora para ele a possibilidade de abandoná-las à própria sorte seja uma das alternativas, assim como ele abandonou uma de suas amantes que praticava bruxaria e que lhe lançou uma maldição que o perseguirá, impedindo-o de ser feliz. Pancho, um dos muitos condutores que o metrô da Cidade do México teve ao longo de sua história, é o personagem que se apaixona por outra funcionária, Elsa, uma mulher que busca melhorar e se libertar dos maus-tratos a que foi submetida por seu parceiro durante vários anos. Esses dois personagens se conhecem no início da criação do Metrô e começam a viver uma história de amor, na qual buscam sua felicidade, além de criar um lar. O problema é que Pancho tem uma esposa, Hortensia, e uma filha, Paquita, embora para ele a possibilidade de abandoná-las à própria sorte seja uma das alternativas, assim como ele abandonou uma de suas amantes que praticava bruxaria e que lhe lançou uma maldição que o perseguirá, impedindo-o de ser feliz. Na ânsia de viver seu amor, Elsa e Pancho não têm remorso de ferir e magoar as pessoas ao seu redor, como Paquita, que é desprezada por Elsa e seu pai, então ele decide deixá-los felizes e, quando tenta se afastar deles, encontra a morte. Amaldiçoado e com a morte de sua filha, Pancho decide viver ao lado de Elsa, já que sua esposa, Hortênsia, o abandona, mas eles não têm ideia de tudo o que espera pelos três. O fantasma de Paquita começa a aparecer para eles, tornando suas vidas infelizes, perseguindo-os e atormentando-os. Por essa razão, eles buscam ajuda da igreja, mas mesmo assim não conseguem deter o fantasma da menina, que é capaz de aterrorizar o próprio padre e até mesmo uma bruxa que tenta detê-la. Elsa, desesperada

assassinatodramasobrenaturalrenascimentocreepypastademônios

Dedicação:

Com todo carinho e amor dedicado...

Para aquela mulher linda e inesquecível, que sempre admirei e amei como ninguém, minha mãe... Juana Núñez, que me ensinou o gosto, não só pela poesia e pela música, mas também pelas histórias negras...

Pelas tradições e lendas que povoam nossa cidade, nosso país e que, sem dúvida, fazem parte da história do México, que se transforma e se adapta a cada dia.

Jamais poderei esquecer aqueles momentos que passamos juntas, minha mãe e eu, quando ela fazia as tarefas domésticas e eu me concentrava nas tarefas escolares.

Foi então que liguei a rádio e, apesar do sucesso que a televisão começava a fazer por todo o país, ainda existiam as chamadas radionovelas, ou séries radiofónicas que tratavam de vários temas.

Algumas muito divertidas, até engraçadas, nas quais os ouvintes de rádio podiam participar por meio de telefonemas, além do velho e quase esquecido correio, por meio de cartas.

E assim, junto com minha mãe, pude ouvir, enquanto fazia meus trabalhos escolares, pude ouvir e curtir, do inesquecível Kaliman, o homem fantástico, na voz do ator e apresentador colombiano Gaspar Ospina, seu inseparável discípulo e amigo Solín.

Continuando com os famosos personagens "Chucho el roto", na voz do ator e locutor Manuel Ochoa; Aí vem Martín Corona, na voz de Pedro Infante, acompanhado por Piporro. Ou a novela de rádio, Felipe Reyes.

Enfim, tantas delícias para os ouvintes, e como esquecer aquele famoso programa de rádio, onde contavam histórias de horror chamadas: o monge louco, com seu clássico "ninguém sabe, ninguém sabia... a verdade sobre o terrível caso de ..." e a história do dia começou.

Ou aquele outro programa de mistério chamado: "Diário do Doutor Brontë", onde o médico contava uma história noite após noite.

Até aquele programa de rádio, com a voz do inesquecível Arturo de Córdoba, chamado: Carlos Lacroix, baseado nas aventuras de um detetive cuja frase lendária era a de: "Atire, Margot, atire".

Ou aquela outra série "Apague a luz e ouça", um programa que narrava histórias de terror e suspense, dramas, que davam arrepios e causavam tremendos pesadelos nos ouvintes do rádio.

Não poderia ter melhores referências numa época em que as comunicações não eram o que são agora, quando a informação não só era limitada, como severamente governada por moralistas severos, que, se no cinema não permitiam as bailarinas mostravam o umbigo , imagina como eram para programas de rádio?

"Juanis..." Eu te amo!