Biblioteca
Português

Seu Corpo Me Pertence

46.0K · Finalizado
Katrina Cortesia
82
Capítulos
49.0K
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

Ela uma garota, que virou independente aos 15 anos quando fugiu de casa, e virou dançarina de casa noturna. Aos 18 anos virou uma garota de programa de luxo. Mas que ainda, acreditava no amor. Ele um mafioso italiano, egoísta e frio. Quem cruzasse seu caminho, com certeza, seria morto. Uma verdadeira máquina de matar. Duas pessoas completamente diferentes, com um único propósito: Se esforçar para não matar um o outro. "— Pode ser— Deu os ombros— Quero ela. — Sem problemas. É uma das mais cara da casa, mas todos pagam e não se arrependem. — Não, eu a quero— Olhou o moreno nos olhos. — Não estou entendendo— Franziu o cenho confuso. — Eu quero que o corpo dela me pertença. — Mas Lorenzo... — Engasgou-se— Ela é o nome da casa, não posso.. Lamento! — Pago o preço que for preciso, Moretti. Não me decepcione— Piscou e levantou-se. Isso não foi um pedido. De Luca não costumava pedir as coisas, ele as tomava, apenas os sortudos ganhavam um valor... Bom, Giovanni deveria agradecer a oportunidade."

amorassassinatobrigasmafiapossessivoamor dolorosadominantebilionário

Capítulo 1

Poderia se dizer que aquele homem, estava apaixonado ou completamente louco por ela que descia e subia, o pole dance era uma das danças mais sensuais que existia, e quando ela dançava parecia ser mágico. Sua virilha arrepiava ao ver cada movimento daquela linda morena.

Seu corpo em sincronia perfeita com a música, a respiração nitidamente ofegante e o suor discretamente, descendo pelo seu corpo brilhante. Seus olhos estavam fechados, como se ela viajasse na mais maluca música, como se estivesse dando o melhor de si. Cada movimento seu era sexy, seu corpo envergado para trás, a perna direita entrelaçada naquele ferro gelado, que deveria estar quente, de tanto que ela se esfregava. Seus cabelos negros estavam bagunçados, mechas caiam sobre seu rosto e ela parecia não se importar. Por que se importaria? Estava chamando a atenção de todos os homens daquele lugar. Contudo, ela se arrependeria de estar chamando tanto a atenção de um determinado homem.

Era um lugar luxuoso, provavelmente, todos que estavam ali tinham dinheiro de sobra. Os sofás tinham um tom vermelho sangue, em volta de cada palco redondo com dançarinas exóticas. Escuro, apenas iluminado com luzes de neon. Os papéis de paredes rústicos com cores fracas. Os garçons levavam em suas bandejas diversas coisas, uísque, vodca e cocaína.

— Se interessou, Lorenzo? — Perguntou o moreno, dos olhos azuis reluzentes e cabelos desengrenados.

Sentou-se ao lado do loiro de social, que apoiava o cotovelo no braço do sofá, e o dedo indicador estava parado em seus lábios, como se analisasse a garota na sua frente.

— Ela dança bem, primeira vez que a vejo— Respondeu sem tirar a atenção da morena.

Seus olhos castanhos a encaravam com luxuria. Os lábios carnudos faziam uma linha reta em seu rosto. Ele não a admirava como uma mulher e sim como uma propriedade, quem conhecia Lorenzo de Luca sabia que ele jamais aceitaria dividir algo.

— Está conosco desde os quinze. Faz sucesso aqui, é a que nos dá mais dinheiro. Você é o único que demorou para perceber essa belezinha aí— Molhou os lábios com um sorriso malicioso.

Giovanni Moretti era o dono daquele lugar, e de todas aquelas garotas. Era um dos caras mais rico da região. Ele e seu irmão abriram uma casa noturna quando eram jovens, era pequena e fedia bebida e sexo. Mas com um tempo, fizeram um lugar, que todos os homens multi milionários compareciam.

— Pode ser— Deu os ombros— Quero ela.

— Sem problemas. É uma das mais cara da casa, mas todos pagam e não se arrependem.

— Não, eu a quero— Olhou o moreno nos olhos.

— Não estou entendendo— Franziu o cenho confuso.

— Eu quero que o corpo dela me pertença.

— Mas Lorenzo... — Engasgou-se— Ela é o nome da casa, não posso.. Lamento!

— Pago o preço que for preciso, Moretti. Não me decepcione— Piscou e levantou-se.

Isso não foi um pedido. De Luca não costumava pedir as coisas, ele as tomava, apenas os sortudos ganhavam um valor... Bom, Giovanni deveria agradecer a oportunidade.