Biblioteca
Português

Redenção do híbrido

271.0K · Finalizado
Geminiwrites
168
Capítulos
36.0K
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

Alonso Lockhart perdeu a sua companheira para os bandidos e desde então tinha jurado ficar solteiro e chorar a sua perda. Quando recebeu a convocatória para a execução de uma jovem que tentara assassinar a irmã, foi atraído para a sua alcateia. Só para chegar lá e descobrir que ela era a sua companheira de segunda oportunidade. Não era esse o seu plano, no entanto, não conseguiu suportar o estado em que a conheceu e teve de castigar os seus algozes e levou-a para casa. E isso marcou a segunda fase do sofrimento de Danika Michaels. O Rei Alfa tornou a vida dela miserável, odiando-a por ter entrado na sua vida quando não precisava dela e, ao mesmo tempo, desejando-a para além da normalidade. Estas duas almas atormentadas existem num espaço, cada uma lutando pela sua redenção pessoal, enquanto ainda lutam para controlar o laço que as une. Serão revelados muitos segredos que provarão que não foram feitos para ficarem juntos, e caberá a eles dominá-los. Vamos descobrir como é que esta história agridoce se desenrolaria e como é que mais tarde encontraram o seu final feliz.

romancesobrenaturalamor verdadeirolobisomemlunadominantemenina boabxg

Capítulo 1

A prática deu errado: Danika

“Argh!” Senti uma forte dor chiar em meus pulmões quando seus pés colidiram com minhas costelas. Eu caí, minha mão segurando o centro da minha dor desde o chute em meu estômago.

"O que você está fazendo? Venha até mim, seu fracote doente e imprestável!" veio a voz rancorosa de Bianca, minha irmã mais velha, quando ela veio até mim mais uma vez, com força, não dando a mínima para sua imposição inicial em mim.

Recuei instintivamente com um grito alto ao ver seus pés, acompanhados por sua mão, avançando em direção ao meu rosto - meu rosto! Ela sabia o quanto isso me perturbava, ter um arranhão no rosto. "Não é a minha cara, Bianca!" Eu consegui gritar com ela. Ela zombou, aparentemente imperturbável.

Eu estava fraco – muito fraco neste momento – e ela sabia disso, mas não se importava, apenas para provar sua habilidade sobre mim e obter a aprovação de meu pai.

"Estou cansado", murmurei, alto o suficiente, esperando que ela me ouvisse, ainda curvado, cuidando de minhas costelas doloridas. Dei uma espiada nela, caso ela decidisse me atacar sem saber. Oh, ela pode muito bem fazer isso.

Seu peito arfava de desprezo enquanto ela olhava para mim boquiaberta, com nada menos que ressentimento em seus olhos azuis semelhantes, que havíamos adquirido de nossa mãe.

Ela tropeçou em minha direção, uma resposta na ponta da língua para mim. "Cansado?" ela começou, maliciosamente. “Como você pode estar cansado por causa de algo tão pequeno?!” Enquanto ela falava, seu punho cerrou. Eu cambaleei para longe dela. bufei ameaçadoramente e se virou para olhar para o homem sentado no canto mais distante nos supervisionando: meu pai. Neste momento, ele tinha fúria gravada em seus olhos enquanto me observava.

Como sempre, eu sabia o que ela queria fazer antes mesmo de ela abrir a boca para falar. "Pai," Bianca forjou petulantemente, "você ouviu o que ela disse..."

Ela não teve chance de terminar de falar antes que ele rapidamente se levantasse e corresse em nossa direção, atravessando o espaço que nos separava como o vento. Eu especificamente.

Oh não. Isso só significava uma coisa...

Golpe!

O eco retumbante de sua palma áspera em minha bochecha ressoou pelo espaço vazio do campo de treinamento. Caí no chão e rapidamente sentei-me com firmeza, sabendo o que aconteceria se permanecesse no chão. As lágrimas caíam rapidamente pelo meu rosto.

Ele não dava a mínima para mim e para como eu estava me sentindo. Seus olhares gelados me penetraram enquanto ele acenava para mim. "Volte para a posição. Agora!" ele rugiu. “Não me importo se você está cansado ou não, não permitirei que você desonre ainda mais esta família”, disse ele, seguindo em frente, a fúria misturada com o ódio puro escorrendo de cada palavra que ele cuspiu em mim.

Eu já estava me sentindo frágil, como se qualquer tentativa de resistir fosse como me voluntariar como saco de pancadas para o treinamento da minha irmã – algo que ela abraçaria ansiosamente, de qualquer maneira. Eu tremia com as muitas dores no corpo que sofri desde o início do treinamento, junto com as inúmeras surras que recebi deles.

A surra severa que recebi ontem deixou uma cicatriz grande e feia nas minhas costas. Apesar disso, ele não demonstrou preocupação e me instruiu a participar do treino de hoje para uma competição de matilha aparentemente inútil marcada para amanhã. Ele estava bem ciente de que minhas chances de chegar à posição final eram quase nulas. Fui constantemente ridicularizado em competições anteriores e previ que desta vez não seria diferente. Tentei ficar em uma posição de ataque, cerrando os punhos e empregando todas as forças que restavam em mim para pelo menos escapar da tortura desta noite do meu pai – mesmo que eu tivesse que conseguir isso da minha irmã. No entanto, não foi nada comparado ao do meu pai.

Depois de gaguejar e cair inúmeras vezes, percebi que não conseguiria — não havia necessidade de forçar. Eu estava tremendo muito e poderia desmaiar em breve. “Pai, eu posso—”

Assim que a palavra “não posso” estava prestes a sair da minha boca, o ar sufocante foi expelido do meu corpo e eu me vi voando pelo ar na velocidade de um vaga-lume de Jackie Chan. Fiquei tenso, fechei os olhos e me preparei para bater no chão duro de granito, mas, felizmente, pareceu que um anjo teve pena de mim e me senti suspenso no ar.

Por alguma coisa.

Magia!

Sim, eu sei o que você está pensando e também desejei o mesmo. Eu abri minhas pálpebras ligeiramente para dar uma olhada e, para minha maior surpresa, não foi mágica, mas a mão do meu pai segurando a gola rasgada do meu vestido, com seus olhos vermelhos e envoltos em ódio olhando de perto para os meus enquanto seus lábios se curvavam para o lado. “Não vou dizer isso de novo, comece a treinar imediatamente!” ele rosnou e me jogou no chão como um lixo fedorento. próprio pai.

Vi os pés da minha irmã aparecerem diante de mim e lentamente olhei para ela com olhos marejados, implorando para que ela tivesse pena de mim e fosse com calma desta vez.

Ela bufou e se inclinou para me puxar ferozmente. “Levante-se e lute comigo, fracote”, ela gritou em um sussurro, com veneno suficiente em sua voz.

Aceitei meu terrível destino esta noite e me preparei para novos ataques dela. Minha cabeça caiu em derrota. Eu deveria saber que ela não iria me ouvir. O que eu estava pensando?

O som de seus pés percorrendo o chão enquanto ela corria em minha direção no ataque era a única deixa que eu precisava para me posicionar, para receber outra rodada de surra letal dela em nome do treinamento.

Eu sei que agora você deve estar se perguntando quem eu sou e por que me senti tão fraco e apático. Bem, muitas vezes me perguntei a mesma coisa sobre minha própria falta de jeito, mas tudo se resume a uma simples razão... Meu nome é Danika Michaels, uma loba de dezessete anos, e muito poderosa para isso. matéria. Neste ponto, eu sei que você provavelmente estaria mais confuso sobre como eu poderia ser poderoso e levaria uma surra de minha irmã. Sim, esta é a minha história.

Eu estava perto de completar dezoito anos e, naquele momento, não poderia estar mais animado com o que estava por vir. Amanhã seria o dia que eu esperava ansiosamente desde que descobri que finalmente encontraria meu Lobo, encontraria meu companheiro e, com alguma sorte, ele me aceitaria e me resgataria da constante dor e sofrimento que havia suportado. da minha família e de outros membros da matilha desde o dia em que nasci. Eles me culparam pela morte de minha mãe e eu ansiava por um novo começo. Há muito tempo atrás eu buscava respostas com minha avó, depois de me perguntar por tanto tempo por que todo mundo me odiava tanto, por que as mesmas pessoas que deveriam cuidar de mim eram as mesmas que me atormentavam. Na minha matilha, a matilha Diamond Dwellers, fui tratado de forma inferior a um Omega e, na maioria das vezes, até os Omegas cuspiram em mim quando eu aparecia em público.

Minha avó, depois de tantos pedidos e estímulos de minha parte, me informou como minha mãe, que era uma guerreira muito poderosa de nossa matilha e uma mulher amante da paz, deu seu último suspiro no mesmo dia em que nasci. Ela me confidenciou o quanto meu pai a amava e adorava e como ele havia mudado desde o dia em que ela morreu, para se tornar o oposto direto de quem ele costumava ser.

Eu chorei tanto e desejei ter o poder de trazer minha mãe de volta e, em vez disso, ser aquela que morreu naquele mesmo dia em seu lugar. Eu não queria isso. Não foi minha culpa que isso tenha acontecido e ainda assim tenho que sofrer todas as consequências. Vovó me consolou e me disse que eu teria que suportar toda a sua indiferença até encontrar meu companheiro e ir embora. E para ser franco com você, tenho tido uma sensação torturante na boca do estômago de que esse mesmo método de fuga iria dar errado para mim. A menos que meu companheiro venha de fora desta matilha, porque tecnicamente, todos nesta matilha me desprezavam.

Eles disseram que ser poderoso deveria ser uma bênção, pois você poderia ser um recurso para sua matilha, mas a minha era nada menos que uma maldição, pois não me trouxe nada além de tristeza, sofrimento, mais agonia e ódio de meus próprios parentes.

Jurei desde o dia em que minha avó me contou tudo, que nunca usaria meu poder contra ninguém, aconteça o que acontecer. Era por isso que, na maioria das vezes, mesmo quando minha irmã me irritava, eu escolhia o caminho diplomático e ia embora, fazendo-a de boba.

Eu passei por muita coisa na minha vida por causa dessa minha decisão. Em primeiro lugar, todos da minha matilha zombaram de mim e cuspiram na minha cara, me xingando de nomes horríveis que doíam muito ouvi-los. Em segundo lugar, meu pai era facilmente provocado por tudo o que eu fazia, e demonstrava sua raiva contra mim a cada menor provocação, só para se vingar de mim por supostamente ter matado sua esposa, que por acaso é minha mãe.

Mesquinho se você me perguntar.

Já falei sobre minha irmã, a dela era outra coisa que detesto falar com alguém. Eu estava sozinho neste mundo cruel. Todas as vezes, ela trazia seus amigos igualmente mal-educados para casa para me provocar e me espancar se eu fizesse alguma coisa que a irritasse.

Muitas vezes, ela os levava para jogar lixo por toda a casa e bagunçava todos os lugares, sabendo que era eu quem iria limpar a bagunça dela, o que eu nunca ousaria hesitar em fazer se ainda desejasse ter meus ossos me sustentando. . Meu pai apoiou todas as suas acrobacias comigo e encorajou cada uma delas.

No entanto, esse não era problema meu. A pior coisa que ela fez comigo foi roubar meus poderes. Agora, toda lua cheia, ela com o apoio do meu pai, me amarrava nos fundos da casa em uma duna de areia que ficava de frente para a lua, e exatamente às 12h da meia-noite quando os outros membros da matilha se transformavam e uivavam até a lua em adoração à nossa deusa da lua, Atreides, ela realizaria alguma forma de magia que sinto que ela obteve de um meio sombrio e roubaria tanto poder quanto quisesse, deixando-me esgotado e fraco durante toda a temporada.

Eu não teria me incomodado — me chame de estúpido — mas fiquei furioso porque depois de roubar meus poderes, ela os usaria contra mim e até andaria pela matilha se passando por poderosa para os outros. Ela receberia sua admiração e elogios, enquanto em troca eu recebia seu desprezo e rancor odioso.

De volta ao presente.

Caí de bunda no chão e me contorci quando ela veio em cima de mim, com o punho cerrado para bater no meu rosto. Fechei os olhos e esperei, reunindo toda a minha inteligência para conter os ossos amassados em algum lugar do meu rosto que percebi que ela de repente decidiu destruir hoje.

"Suficiente!" Ouvi a voz do meu pai reverberar e abri os olhos para ver o rosto magoado da minha irmã se confundir antes que ela me xingasse e se levantasse de cima de mim, me chutando como último alvo.

"Danika, vá preparar o jantar e certifique-se, para o seu próprio bem, de que está saboroso", meu pai balbuciou e começou a se afastar. Ele parou na porta e se virou para me encarar. "O que quer que você tenha que fazer, Danika, certifique-se de desenvolver magia para chegar à terceira posição amanhã ou..." Ele bufou e invadiu o interior.

Deixei as lágrimas escorrerem pelo meu rosto porque sabia o que ele queria dizer com isso. Ele não precisou terminar a declaração para eu saber o que aconteceria. E do jeito que está, eu não estava nem perto de estar pronto para a maldita competição.

“Alguém vai ser enterrado vivo amanhã”, cantou a vadia malvada, Bianca, glamorosamente enquanto se levantava do assento em que estava descansando e começava a entrar. o jantar, estou com muita fome", ela zombou da última parte e saltou, ignorando meu olhar ameaçador para ela, sem palavras.

Levantei-me e comecei a cambalear até a porta, todo o meu corpo doendo muito. Gostaria que adiassem a competição pelo menos por mais duas semanas, mas sabia que isso era impossível, pois era usado para marcar a lua cheia que aconteceria em alguns dias.

Enquanto eu mancava para dentro de casa, meu coração batia forte enquanto pensava em qual seria meu destino amanhã na arena da matilha. Talvez eu tenha que tentar usar meu poder para contornar as punições de amanhã que receberei se algum dia ficar em último na competição como os outros.

A questão era como eu poderia usar um poder do qual só tinha ouvido falar, mas nunca usei antes?