Biblioteca
Português

O Alfa escolheu-me

298.0K · Em serialização
RV.Elliott
174
Capítulos
169.0K
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

Lobisomens? Os lobisomens não eram reais, certo? Leah Wilson é empurrada para um mundo que não sabia que existia. Ao deixar a sua casa na Florida e começar uma nova vida no Texas com a sua avó, as coisas não são o que parecem. Junte duas melhores amigas espirituosas e um macho alfa escaldante e veja como tudo se desenrola. Leah é humana, mas sente imediatamente uma ligação com Jake! Ela não entende porquê, mas sabe que algo não bate certo. Acompanhe a sua viagem e veja como a sua vida começa a mudar diante dos seus olhos. Jake - arrogante, agressivo, talvez um bocadinho parvalhão! Esta história contém cenas de sexo e palavrões.

romancesobrenaturalamor verdadeiroamoralfalobisomem

Capítulo 1-2

Hoje foi mais um dia mais perto de partir.

Olhando para a placa de vendido que estava empoleirada em nosso gramado, um suspiro saiu dos meus lábios. Eu morava na Flórida desde que me lembro. Esta era a minha casa, esta era a casa da minha mãe e eu não estava pronto para sair. Estar aqui era o único lugar onde me sentia próximo dela.

Minha mãe morreu logo depois que eu nasci. Trabalho ruim, muito sangue perdido. Eles não puderam salvá-la. Fui criado pela minha avó.

"Ainda olhando para aquela placa que vejo".

Ela sabia que eu não gostava muito da ideia de ir embora. Eu não queria me mudar e ter que começar tudo de novo. Eu estava feliz aqui, tinha amigos aqui, Tommy estava aqui. Aos 18 anos eu estava indo muito bem. Eu estava ficando correto, tinha um emprego de meio período, no geral minha vida era boa.

Tudo seria tirado de mim amanhã a esta hora. Como eu deveria deixar meus amigos? meu namorado?.

"Leah você tem 18 anos. Você vai fazer novos amigos, vai arrumar um novo namorado. Precisamos dessa mudança querido, vai ser bom para nós".

Minha avó não era a maior fã de Tommy. Ela sempre dizia que havia algo nele que ela não conseguia identificar. Tommy era um pouco mais velho, mas não muito, ele tinha 21 anos, tinha um carro e tinha os olhos azuis mais brilhantes que eu já vi. Sim, ele foi meu primeiro namorado.

Mas no fundo eu sabia que faria novos amigos, seguiria em frente e começaria do zero. Deixá-los para trás não era minha maior preocupação.

“Tenho medo de perder a conexão com ela”. Estando aqui, estando nesta casa eu pude senti-la comigo todos os dias.

"Leah, querido, sua mãe está aqui" Ela sussurrou colocando a mão no meu coração. “Ela nunca vai te deixar, não importa onde você esteja no mundo. Ela te amava, baby, nunca se esqueça disso”. Com as mãos nos meus ombros, ela me abraçou. "Que tal um chocolate quente e podemos ver o pôr do sol?" Afastando-se, ela enxugou as lágrimas do meu rosto.

"Ok, vou pegar o cobertor".

Outra razão pela qual eu não queria ir embora era que morávamos bem na praia. Na maioria das noites, saíamos aqui e víamos o pôr do sol juntos, era meio que nossa tradição. A praia era meu lugar favorito para ir para tudo. Ouvir as ondas quebrando e sentir a areia entre os dedos dos pés. Não havia um lugar assim.

Colocando o cobertor na areia, tirei as meias. A vista era linda. Sentando-me, olhei para a água.

"Lindo não é?".

"Tommy, o que você está fazendo aqui?". Ficando de pé, procurei por minha avó. Mais uma vez ela realmente não gostou dele, mas o tolerou por minha causa. Já tínhamos nos despedido, ele não deveria estar aqui. Ele estava apenas tornando tudo mais difícil.

“Não posso deixar assim Leah, não consigo parar de pensar que depois de hoje não vou mais te ver”. Fechando a distância entre nós, ele deslizou os braços em volta da minha cintura.

"Tommy" eu sussurrei enquanto ele levantava a mão para enxugar minhas lágrimas. “Você não deveria ter vindo, você só está dificultando as coisas”.

"Eu sinto muito, querida". Quando seu aperto em minha cintura aumentou, uma voz clareou interrompendo nosso último momento juntos. “Vejo você de novo um dia Leah, isso eu posso te prometer”. Dando um último beijo em meus lábios, ele se virou e caminhou pela praia na direção oposta.

Olhando para o anel no meu dedo indicador esquerdo, um grito saiu dos meus lábios. Um anel de compromisso que ele me deu após 6 meses de relacionamento, mas me recusei a usá-lo no dedo anelar por causa do azar. Ele era especial, era bom e eu não iria vê-lo novamente.

"Lia?".

"Estou bem". Enxugando os olhos, limpei a garganta. Eu não poderia pensar em nunca mais vê-lo. Minha avó não iria mudar de ideia. Iríamos partir amanhã e não havia nada que eu pudesse fazer a respeito. “Preciso arrumar o resto das minhas coisas e além do mais o pôr do sol já acabou”.

Adeus Flórida, olá Texas

-------------------------------------------------- -----------

Estávamos na estrada há um total de 20 horas, parando de vez em quando para abastecer e comer. Quando ela parou no último posto de gasolina antes de nossa chegada, pulei para poder esticar as pernas.

"Texas não é tão ruim" Ela sorriu enquanto eu olhava ao meu redor. “Estamos a apenas meia hora de distância então eu pago aqui, você vai tomar um café”. Entregando-me algum dinheiro, entrei. Pode não ser tão ruim, mas ainda não estava em casa. Algo não parecia certo por aqui. Enquanto preparava dois cafés, ouvi o barulho da porta e instantaneamente os cabelos da minha nuca se arrepiaram.

Meu corpo parecia estranho.

E então senti a presença atrás de mim.

Meu coração estava batendo anormalmente rápido, minhas palmas começaram a suar.

Isso foi estranho.

Endireitando os ombros, misturei o açúcar, coloquei as tampas e, respirando fundo, me virei.

Ninguém estava lá.

Ok, eu estava oficialmente enlouquecendo. Eu poderia jurar que senti a presença de outra pessoa atrás de mim. Sacudindo isso, fui em direção ao caixa para pagar meu café.

"Normal ou grande?" A garota perguntou com um sorriso brilhante.

"2 normais e este" Pegando os twizzlers em que fiquei preso. Sim, eu tinha o maior desejo por doces de todos os tempos. "Desculpe" eu sorri "Gente com desejo de açúcar". De repente, envergonhado, entreguei meu dinheiro e abaixei a cabeça.

"Tudo bem, sou Alanna".

"Lia". Pegando meu troco, levantei meu café.

"Novo na cidade?".

"Isso é óbvio?" Perguntei.

"Garota da cidade?"

"Flórida".

De repente tive a sensação de que estava sendo observado e não pela garota atrás do balcão. Novamente os cabelos do meu pescoço se arrepiaram e percorreram meu corpo. Eu estava começando a pensar que estava pegando frio.

"Tenho a sensação de que você vai gostar daqui". Ela sorriu.

Fazendo uma careta, encolhi os ombros antes de sair. Aquilo foi estranho. Definitivamente havia algo diferente naquele lugar.

"Twizzlers Leah, sério?" Fechando a porta do carro, sorri. Minha avó sabia o quanto eu era viciado em açúcar. Passando o café dela, olhei para o posto de gasolina enquanto nos afastávamos, quatro caras estavam do lado de fora olhando diretamente para o nosso carro.

Sim, porque isso não era estranho.

"Eu gosto de açúcar" eu ri enfiando outro twizzler na boca. Juro que o açúcar foi a melhor coisa que já foi inventada.

"Você não vai dizer isso quando tiver cáries" Ela avisou ganhando velocidade. "Como você realmente está se sentindo com tudo isso?".

"Faça-me essa pergunta em cerca de um mês". Eu não podia contar a ela como estava me sentindo porque não queria aborrecê-la. Ela pensou que fazer isso seria o melhor para nós, então eu tentaria fazer funcionar.

"Sei que você não gostou dessa mudança, mas prometo que vai adorar vir aqui. O Texas é lindo, as pessoas são simpáticas e acho que vamos nos encaixar perfeitamente".

Eu sei que ela estava tentando me convencer disso, mas eu ainda não tinha certeza. Eu nunca gostei de sair de casa. Era tudo que eu conhecia. Eu tinha medo de ter que recomeçar e me adaptar. Eu seria a nova garota onde quer que fosse.

"Vou tentar, ok, mas não me pressione".

Quando o carro começou a desacelerar, tomei consciência do que estava ao meu redor.

Árvores, árvores e mais árvores.

"Estamos morando na floresta?"

Rindo, ela colocou a mão no meu joelho e apertou. “Estaremos aí em alguns minutos. É assim que vamos”.

"Onde está todo-.." Fiquei em silêncio quando comecei a ver as casas.

Uma rua.

“Vivemos no meio do nada? ótimo”. Suspirando, passei a mão pelo rosto quando ela parou em frente a uma casa de esquina. Olhando para ele, sorri quando vi que o quarto da frente tinha uma varanda, igual ao meu antigo.

"Esse é o seu quarto".

Fiquei pasmo. A casa vista de fora parecia linda, mas um pouco velha, como se já estivesse aqui há algum tempo.

Ok, então talvez eu pudesse me ver tendo uma vida aqui.

“Precisa de muito trabalho mas tive que comprar”.

Ao entrar, meu coração caiu um pouco. Sim, parecia lindo por fora, mas não tanto por dentro. Tudo gritava velho. Os tapetes, os móveis e o cheiro.

“Tenho empreiteiros chegando em alguns dias. Eu sei que não parece muito, Leah, mas podemos fazer isso aqui. Podemos decorá-lo do jeito que quisermos, podemos torná-lo nossa casa”. Minha avó estava feliz e agora isso era tudo que importava.

Eu tive que pensar no panorama geral, pensar no nosso futuro.

Eu não ia jogar meus brinquedos fora do carrinho por causa disso. Depois de torná-lo nosso, sei que será perfeito.

"Parece muito tranquilo. A que distância fica a praia mais próxima?" Eu precisava de algum tempo para pensar e essa era a minha função.

"Já está com saudades da praia?"

"Sim, mas pode esperar. Quer que eu comece a descarregar o carro?". Minha avó me disse que eu só deveria trazer as coisas que eu realmente precisava. Disse que ia comprar tudo novo. Ela não era rica, mas tinha dinheiro.

“Faça isso querido e eu vou ver se consigo fazer o aquecimento funcionar”.

Também não tem aquecimento? revirando os olhos, fui até o carro. Certamente não poderia ficar pior do que isso. Com metade do meu corpo preso dentro do carro não ouvi ninguém se aproximar.

"Preciso de uma mão?".

Espere, foi isso....

"Alana?".

"Você está se mudando para lá?" Ela perguntou enquanto eu saía do carro. "Você comprou aquela casa?". Por que agora tive a sensação de que havia algo errado com isso?

"Minha avó fez por quê?" Fechando a porta com um chute, olhei para ela. Algo parecia errado com essa garota também. Juro que meus sentidos estavam em alerta máximo esta noite. "Tem alguma coisa errada com isto?".

“Não, claro que não, só está vazio há um tempo. Moro na mesma rua com meu irmão e meus pais moram a algumas casas de nós”.

“Por que está vazio há tanto tempo?” Fiquei curioso agora.

"Não tenho certeza. Aqui, deixe-me ajudá-lo com isso" Pegando a caixa das minhas mãos, ela subiu a garagem. Eu não tinha certeza se seríamos amigos ou não. Ainda não tinha certeza se gostava dela.

"Leah, eu consegui- ah, quem é esse?" Minha avó perguntou pegando a caixa de Alanna.

"Alanna mora algumas casas abaixo com o irmão. Vovó, esta casa está vazia há muito tempo. Tem certeza de que não quer procurar outra coisa?" Eu não queria que ela gastasse todo o seu tempo e dinheiro nesta casa se algo estivesse errado com ela.

"Leah" Ela avisou e isso foi tudo que eu precisei para manter minha boca fechada. Uma vez que ela decidisse algo, nada nem ninguém poderia fazê-la mudar de ideia. "Vá esvaziar o resto do carro enquanto preparo um chocolate quente para nós. Consegui encontrar uma chaleira". Ela sorriu.

"Ela parece doce" Alanna sorriu enquanto eu pegava outra caixa. Sim, ela era doce, mas também era feroz e destemida.

"Obrigado pela ajuda, mas eu cuido daqui". Eu não conseguia entender essa garota. Eu não tinha certeza se ela estava sendo amigável porque queria alguma coisa ou amigável porque éramos seus novos vizinhos.

"Eu não me importo" Ela encolheu os ombros levantando outra caixa. “Além do mais meu irmão idiota está com amigos e eu prefiro não estar lá”.

"Quantos anos tem o seu irmão?"

“Ele tem 24 anos, mas você pensaria que ele é mais velho pela maneira como age e é um pouco idiota”.

"Como assim?". Eu estava cavando, mas estava curioso e pegaria qualquer informação que pudesse obter.

"Tenho certeza que você o conhecerá um dia e descobrirá por si mesmo. E você, algum irmão?".

"Filho único".

Ao voltar pela estrada, tropecei em alguma coisa e caí. Caixa no ar, abaixei as mãos para impedir a queda. "Merda" eu sibilei agarrando meu joelho. Levantando minha perna do jeans, eu sibilei quando puxei a pedra que estava incrustada ali.

"Leah, você está bem?" Só então ouvi várias vozes.

Minhas mãos estavam ensanguentadas e meu joelho estava arranhado, mas eu estava bem. Um pouco envergonhado, mas vou viver.

"Precisa de uma mãozinha?".

"Jake". Alanna avisou.

Olhando para cima, um suspiro saiu dos meus lábios. Quem era ele? e por que ele não estava de camisa. Eu estava sonhando? Nossos olhos estavam colados um no outro, era como se eu não conseguisse desviar o olhar.

"Agora, é assim que posso falar com seu irmão mais velho, Alanna?". Ele finalmente quebrou o olhar e eu me senti uma idiota.

4 caras estavam do lado de fora da minha casa sem camisa. Estava congelando.

Acho que também bati a cabeça na descida.

Limpando as mãos na calça jeans, fiquei de pé. Tudo o que estava na caixa agora estava espalhado por todo o caminho. Gemendo, peguei a caixa e comecei a recolher minhas coisas.

"Jake, vá embora, por favor". Ela implorou.

Mas ele não ficou no mesmo lugar e apenas olhou. Ele estava olhando para mim e eu estava começando a me sentir um pouco desconfortável.

Isso desapareceu quando percebi o que ele estava segurando.

Ele segurou nas mãos o cobertor da minha mãe. Era velho e robusto, mas era especial para mim. Eu não deixei ninguém tocar nele com medo de que de alguma forma ele caísse e aqui estava aquele filho da puta arrogante segurando-o como se fosse um trapo velho e sujo.

"Jake" Alanna sibilou.

Eu estava muito ocupado olhando para o cobertor. Se ele fizesse alguma coisa, eu arrancaria seus olhos.

"Leah, o que está acontecendo aqui?" Minha avó perguntou quando ela saiu. Seus olhos caíram instantaneamente sobre o cobertor. “Jovem, acredito que você está guardando algo muito pessoal para minha Leah aqui. Sua voz era severa e segurava autoridade.

"Peço desculpas, senhora." Entregando-o para minha avó, agarrei-o antes que ela pudesse tocá-lo. Trazendo-o para o meu rosto, inalei profundamente. Eu não me importava que eles estivessem assistindo.

“Entre querida, o resto pode esperar até amanhã. Alanna, você é mais que bem-vinda para participar”. Ela não precisou me dizer duas vezes.

Ela estava certa, seu irmão era meio idiota.

"Agora meninas, sentem-se, vou esquentar o chocolate quente".

“Voltarei meus telefones no carro”.

Abrindo o porta-luvas, peguei meu telefone e tranquei o carro novamente. O que eu não esperava era que o irmão dela estivesse esperando no final da rua. Como não ouvi ou vi ele se aproximar? Apertando o cobertor em volta dos ombros, parei a poucos metros dele.

“Alanna ainda está lá dentro, vou mandá-la embora”. Quando fui passar, ele estendeu a mão e agarrou meu pulso. Ele não foi duro com isso, não doeu, mas isso não significava que eu estava bem com isso.

"Pequeno" Ele rosnou.

Eu estava lutando para libertar meu pulso. Quem era esse cara?

"Por favor, deixe-me ir". Eu sussurrei, mas ele tinha outras ideias. Ele me puxou contra ele, enterrando a cabeça em meu pescoço. Ele respirou profundamente.

O que diabos estava acontecendo?

"Foda-se, baby" Ele sibilou. "Você cheira a oceano".

Eu estava assustado. Meu corpo estava tenso.

“Você não precisa ter medo de mim, pequena”. Sua voz era como veludo.

Eu não sabia que tinha fechado os olhos, mas quando os abri ele havia sumido. Fiquei oficialmente assustado.