Biblioteca
Português

Meu CEO Possessivo

51.0K · Finalizado
Betânia Vicente
32
Capítulos
178.0K
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

Leon Vitorino Existe amor à primeira vista? Acredito que sim! Pois aconteceu comigo, assim que eu coloquei os olhos nela. Essa mulher parecia um anjo. Tão linda e tão perfeita. Seus olhos me mostravam uma grande tristeza que me fez querer protegê-la de tudo e de todos. Ela ainda não sabe quem eu sou, mas logo vai saber. Prazer, eu sou seu CEO POSSESSIVO. Maria Eduarda Se me contassem que no dia do meu aniversário eu seria estuprada e iria apanhar, teria dado risada. Uma pena que tudo que passei não foi um simples sonho ruim, aquele em que quando você acorda já é de manhã e você o esquece. Mas não foi um simples sonho, e sim um pesadelo que se tornou realidade e que me fez cometer um atentado contra a minha própria vida. Tentei me matar, sim! Sou errada? Eu mereci isso? Será que um amor pode vencer essa dor? Venham conhecer este lindo conto que se transformou em livro tão apaixonante, e ao mesmo tempo triste, e acompanhar esse casal!

romanceviolênciaamor verdadeiroCEObilionáriopossessivodominante

Prológo

Maria Eduarda

Sinceramente, eu não sei como consegui chegar em casa. Entro em silêncio para não acordar a minha irmã, e acabo gemendo quando sem querer esbarro no corrimão e tranco os dentes para não gritar, soltando apenas um pequeno gemido de dor.

Vou subindo as escadas, ou melhor, vou rastejando, e enfim consigo chegar ao meu quarto. Fecho a porta e não acendo a luz — eu tinha medo de ver como estava machucada.

Vou andando bem devagar, e cada passo que eu dava era uma tortura, e sempre me apoiando na parede até chegar à minha mesinha, onde eu tinha um notebook e também alguns livros.

Nem sempre eu precisava acender a luz do quarto, sendo que eu tinha uma luminária. Assim que consigo alcançá-la, acendo-a e vejo os meus dedos machucados. Sinto as lágrimas já escorrerem. Abro o diário que eu tinha ganhado da minha irmã e começo a escrever. Até mesmo escrever dói. Começo a chorar baixinho.

“Querido diário, hoje foi o meu aniversário de 18 anos!”

“Eu não mereço viver.”

“Fui estuprada e drogada, e decidi que devo morrer hoje!”

Só consigo escrever isso, e deixo o diário. Abro a gaveta, onde havia um pequeno canivete. Pego-o e sigo para o banheiro. Ao chegar lá, acendo as luzes. As lágrimas descem mais e mais e não consigo controlar. Eu estava envergonhada, com dor, com raiva.

Meu rosto machucado, meus cabelos desgrenhados e minhas roupas rasgadas. De uma coisa eu já tinha consciência: não saberia viver com esse pesadelo, e a única coisa que eu tinha que fazer era me matar, era a única solução.

Levo o estilete direto para o meu pulso e começo a passar a lâmina. Sinto a ardência do corte e já vejo o sangue saindo. Faço a mesma coisa no outro, e não demorou muito eu estava caindo no chão. Um pouco antes de fazê-lo, ouço o grito da minha irmã:

— Me perdoa… — peço, e finalmente sinto a morte vir e me entrego a ela em paz, sabendo que nada no mundo me faria mal.