Biblioteca
Português

Entre quatro paredes(Completo)

89.0K · Finalizado
Winnie_welley
59
Capítulos
488.0K
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

— Pretendo ajudar você, sua irmã e sua mãe. — E você quer algo em troca, não quer? — pergunto mas não obtive resposta. — Me diga Dante, o que você quer? — Eu quero você, Alice. — C-como assim? — Pergunto com a voz embargada. — Eu a ajudarei a pagar todas as suas contas, mas terá que ser minha por quantas noites eu quiser. Se para salvar a vida pessoa que mais ama, você tivesse que dormir com um homem charmoso, mas dominante por quantas noites ele quisesse, você faria? Com a doença de sua mãe, Alice se ver obrigada a trabalhar para ajudar em casa. Ela acaba trabalhando na empresa de Dante Angnel, um poderoso CEO italiano e rico que a deseja mais que qualquer outra mulher. Ela acabará por descobrir os prazeres de uma paixão e as consequências de decisões precipitadas.

mafiaalfadramaamorromancebrigasdominanteCEObilionáriomenina boaWinnie_welley

Capítulo 01

Minha mãe sempre dizia que eu costumava ser uma boa criança, que nunca dei trabalho, sempre fui gentil e bondosa com todos. Mas com o tempo, as necessidades levam sua inocência, e de um dia para o outro, você se ver assinando um acordo com uma única finalidade: o prazer de um homem rico e todo o luxo que ele possa te dar. Mesmo que custasse minha vida, eu faria de tudo pela minha família, principalmente para salvar minha mãe. O meu único erro, foi ter me apaixonado ao invés de proporcionar apenas prazer a ele. Dante não era meu, eu nem o tinha por inteiro, mas ele tinha a mim, isso era suficiente para ele.

-------------------

Eu olhava pela janela os carros passando pelo lado de fora, tudo no centro da cidade era movimentado e ríspido. O barulho dos carros era quase imperceptível com o vidro do café que nesse dia, estava especialmente cheio por conta de uma confraternização. O local era pequeno, e quente, a cozinha era o pior lugar para ficar, cheiro de fritura e doces invadiam as narinas se você não fosse acostumado.

Apoiei minha bandeja no balcão e suspirei, levei a costa da mão até a testa e limpei o suor.

— Aqui o pedido da mesa sete! — Uma das meninas que trabalhavam no balcão disse.

Pego o prato com bolo, a xícara de café e levo para o cliente.

O dia inteiro era assim, entregando cafés, jogando lixo, limpando mesas e recebendo gorjetas medíocres. Algumas vezes recebia cantadas ou homens atrevidos tentavam pegar em minha nádega, mas eu sabia como contornar essas situações.

— Eu não aguento mais servir tantos milhares. — Uma das minhas colegas de trabalho diz. Ela era nova no emprego, era a única que falava comigo e que ainda tentava me chamar para sair.

O café com certeza era o lugar mais competitivo de Nova York, por conta da comissão, qualquer um pisaria em você para ganhar um trocado à mais.

— Uma hora você se acostuma. — digo.

Duas garotas entram no café, elas eram diferentes do que costumávamos receber. Usavam roupas claras e seus cabelos estavam perfeitamente penteados, uma loira e a outra morena, ambas esbeltas, provavelmente eram modelos da agência de modelos afrente. — Deixa que eu vou dessa vez.

Fui até elas com o caderno de anotações mão. Elas estavam conversando sobre algo enquanto seguravam o cardápio na ponta dos dedos.

— Boa tarde, o que vão querer?

— Algo não muito gorduroso, sem açúcar nem glúten. — Uma delas me responde com sotaque francês antes de me olhar dos pés à cabeça. — Tem alguma sugestão, garçonete?

— Água? — Sugeri ironicamente.

— Que fait ce qu'elle pense qu'elle est? — a morena indaga em francês.

— Une serveuse stupide avec des vêtements sales. — A outra responde.

Elas entreolharam, olharam para mim e gargalharam.

— Vamos querer uma size salad e uma água. — Elas responderam. Anotei e dei as costas para elas levando o fiapo de meu cabelo para trás da orelha.

Pendurei o pedido no mural.

Meu avental estava sujo de açúcar de confeitar e café, limpei o mesmo imediatamente. Tentei não pensar nas piadinhas cujo ouvi, por mais difícil que fosse.

Eu sempre saía às 22 horas, mas desta vez tinha algo estranho pairando sobre o ar. Minha sensação intensificou quando fui chamada a sala da gerente. Ela era grossa na maioria das vezes e tinha um humor ácido que quase ninguém suportava. Mas pelo menos me empregou durante esses anos que mais precisei.

— Demitida?! — Questionei indignada.

— Eu sinto muito Alice, nós precisamos cortar gastos. — Continua — o café já não dar mais dinheiro como antes.

— O que eu vou fazer agora? —Sento na cadeira cabisbaixa.

Ela respira fundo, mesmo com a cabeça para baixo via os olhos dela revirarem.

— Eu posso indicar você, mas esse é o máximo que posso fazer. Ainda tem o seu seguro desemprego, pode pegar no nosso setor de Rh.

Tirei meu avental e o joguei em um lugar qualquer da sala dos funcionários. Abrir meu armário e olhei a foto de minha família, basicamente consistia em: minha irmã Anne e minha mãe. Olhei para o chão, fechei meus olhos segurando as lágrimas, encostei nos armários e arfei. Eu estava exausta. E o que eu faria agora?

Enquanto estava no metrô, tentava não pensar nos desafios que teríamos de enfrentar, sem meu emprego não podia mais ajudar em casa e a pagar o plano de saúde de minha mãe que a esse altura estava alto, mas caro do que quando começamos o tratamento.

A estação mais perto da minha casa ficava há duas quadras, no Queens.

Vou direto para casa, abro a porta entro e fecho-a novamente. Me apoio na mesma e sinto meus olhos pesarem. Droga, Alice.

Jogo minha bolsa em um canto qualquer e chuto para longe. Enxugou as lágrimas e quando vejo Anne descer as escadas.

— O que aconteceu? — Perguntou ela franzino a sobrancelha alourada — Por que está em casa tão cedo?

— Advinha — dou uma pausa dramática —, fui demitida.

Anne é minha irmã mais nova, ela tem 17 anos e está no seu último ano do ensino médio. Ela era um suporte e tanto para me ajudar a cuidar de nossa mãe enquanto estou trabalhando, ou estava pelo menos. Cuidei dela desde muito cedo, eu era quase uma segunda mãe. Eu a ensinei a amarrar os cadarços e a levava para a escola nos primeiros dias de aula.

— Eu não posso acreditar, aquela cretina teve coragem de demitir você. Alice, você provavelmente era a melhor funcionaria dela! — Ela bufa.

— Eu sei, mas não tenho o que fazer agora. Ela disse que estavam cortando gastos.

— Eu duvido muito disso.

— Eu sei, pois eu também. O café estava lotado hoje.

Ela respira fundo e senta na cadeira. Anne sorrir der repente e arregala os olhos como se lembrasse de algo, caminha até sua bolsa jogada por um canto qualquer da sala e vem ao meu encontro com um papel na mão.

— Não sei, mas, eu peguei isso quando estava vindo da escola — ela estende o papel na minha direção.

— Aonde você pegou isso? — Pegou o papel de suas mãos, era um panfleto de empregos.

— Foi em um jornal jogado em frente à escola, estão contratando recepcionistas. — Ela diz. — Não é muito, mas já ajudaria.

No papel dizia o endereço e telefone para contato, nada muito chamativo. Provavelmente seria uma vaga de faxineira ou qualquer outra coisa que serviria.

— É, talvez amanhã eu vá lá. Mas não vamos colocar expectativas alta nisso, está bem?

— Sim, é só uma ideia.

Deixo o anúncio em cima da bancada e vou até o quarto da minha mãe, ela estava adormecida. Não queria atrapalhar seu sono então apenas depositei um beijo em sua testa e saio do quarto, em seguida fui para o meu. Me joguei na minha cama, fiquei pensando em que valor está a nossa dívida, teria que vender meu rim para pagar os juros altíssimos.

Nossa casa não era lá essas coisas, mas ainda é uma das melhores do nosso bairro. Quando meu pai ainda era um pai, ele nos dava de tudo, nós só não sabíamos da onde vinha tanto dinheiro. Até que um dia ele simplesmente sumiu e deixou uma dívida alta com uma gangue perigosa do nosso bairro.

Peguei meu celular e procurei por ofertas de emprego, trabalharia até três turnos se fosse preciso, mas eu tinha que arrumar uma forma.

No dia seguinte me preparo para entrega currículos.

— Bom dia, Anne. — Digo a minha irmã que estava sentada em uma das cadeiras da mesa, tomando café. — Não vai para a escola?

— Hoje não tem aula.

Apoio as mãos na cintura.

— Anne, você não está mentindo para mim como fez da última vez, não é?

— Você precisa da minha ajuda! — Ela gesticula com as mãos fazendo uma expressão de injustiça.

— E você tem que ir para a escola, vai se arrumar e peça a nossa vizinha para cuidar de mamãe. Já basta eu sem estudo, você não.

Eu tinha o mínimo, mas não cheguei a fazer faculdade. Minhas notas eram boas, fui aceita por uma faculdade em outro estado mas minha família precisava de mim, então deixei tudo de lado para começar a trabalhar.

Eu dava duro há anos, já trabalhei com coisas inimagináveis mas nunca tive um sapato bom ou roupas nova.

Essa era a nossa vida.

Ela não me contradiz e vai para o andar de cima. Dou uma bocada na torrada que estava em minhas mãos e me preparo psicologicamente para mais um dia daqueles.

O dia foi duro, não consegui nada além de: "Ligaremos para você" ou "Seu currículo não tem o necessário". Está sendo difícil encontrar emprego, a minha sorte é que eu tinha alguns cursos que precisavam ser atualizados, mas ainda davam para alguma coisa.

Já eram 13:24, meu estômago doía de fome. Não tinha dinheiro para nada além de passagem de metrô. Eu ainda estava no metrô em direção a mais uma das empresas que provavelmente não me aceitaria, até que eu vejo o anúncio que a Anne havia me entregado na noite passada dentro da minha bolsa, tinha certeza que ela o colocou lá. Despercebida, soltei um sorriso nasal e abri o papel, observei e pensei: até que não seria uma má ideia tentar, afinal de contas, eu seria só uma simples atendente.

— Não custa nada tentar! — Digo a mim mesma dentro da estação.

Um senhor de idade olha para mim como se eu fosse maluca.