Biblioteca
Português

Devagar

72.0K · Finalizado
OroDollar
66
Capítulos
84
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

Ela é uma stripper que só pode contar com ela mesma. Ele é o líder de uma gangue criminosa cuja vida já não tem mais nada. Quando dois mundos tão distantes e duas personalidades opostas se chocam, apenas duas coisas podem acontecer: uma grande catástrofe ou uma grande história de amor. E somente o destino decidirá.

dramaromanceamoradultériobeauanysenhora protagonistafemininadominante

Capítulo 1

Ainda me lembro do dia em que, entre as carteiras da escola, a professora nos passou um tema para lição de casa cuja entrega dizia “o que quero fazer quando crescer”.

Meus colegas queriam ser astronautas, presidentes dos Estados Unidos ou estrelas do rock famosas; Um casal de crianças, com os pés no chão, escreveu que queria ser veterinário, dançarino e policial.

Decidi que queria ser médica. Claro, não é tão divertido quanto ir à lua ou subir ao palco diante de milhões de pessoas, mas era isso que eu queria fazer.

Obriguei meus pais a se deitarem na mesa, peguei uma colher de chá e usei como estetoscópio, ou enfiei a ponta de um lápis em meus bonecos como se fosse uma agulha, fingindo injetar neles algo que os salvaria.

Era isso que eu queria fazer: salvar vidas.

Naquela época eu ainda não sabia que seria médica, mas também policial, bailarina e às vezes até fada. Mal sabia eu que seria aclamado como uma estrela do rock e que as pessoas pagariam para me ver no palco.

Chloe, ou melhor, sou C.

Só C, porque quando você é stripper ninguém liga para seu nome, sobrenome ou idade. Ninguém pergunta como você está, simplesmente porque ninguém se importa como você está. Você é um corpo, uma letra, um objeto.

Mal sabia eu naquele momento, naquela sala de aula que cheirava a cola e marcadores, que minha vida seria decididamente diferente do que planejei quando tinha oito anos.

Porque? Bom, simplesmente porque não contei com o destino. E deixe-me dar um conselho: não planeje detalhadamente sua vida sem levar em conta o destino. O destino é capaz de mudar qualquer coisa.

-Acorda Chloe!- ouço gritos e abro os olhos tendo que piscar várias vezes devido à forte luz artificial que invade o quarto, -Você vai se atrasar hoje à noite também!- Amanda me sacode pelo ombro, depois puxa o edredom para me descobrir e me forçar a desistir de mais alguns minutos de descanso.

"Estou aqui, estou aqui", anuncio, levantando as mãos em sinal de rendição, depois me forço a sentar e permitir que minha irmã saia da sala.

Pego novamente o cobertor para manter o frio, as pernas cruzadas aquecidas e fico por alguns minutos olhando para a parede a minha frente, pensando na noite infernal que me espera. Provavelmente está muito frio lá fora, provavelmente alguns graus abaixo de zero, e a julgar pelo barulho que vem de fora, também está chovendo.

Olho para o relógio na mesa de cabeceira que marca onze e meia, me amaldiçoo por ficar preguiçosa na cama e me entrego à ideia de que nunca poderei estar no trabalho à meia-noite. Eu me forço a levantar e finalmente consigo colocar meus chinelos e ir ao banheiro. Prendo o cabelo em um coque para lavar o rosto e os dentes, depois pulo no chuveiro para me ensaboar e enxaguar rapidamente. Vestindo meu roupão fofo, tento cobrir as olheiras com um pouco de corretivo e aplico uma leve camada de base. Uma linha fina de delineador sobre a sombra marrom, deixo Sharon me ajudar com os cílios postiços e o batom.

“Chloe, faltam dez minutos!” Amanda me leva para fora da sala, eu reviro os olhos e visto uma camiseta branca, então atravesso a sala para colocar um jeans apertado, talvez skinny.

"Estou pronta!" comunico com satisfação assim que chego em minha irmã que está assistindo a um reality show na televisão, confortavelmente deitada no sofá com os cabelos castanhos presos em um penteado bagunçado, "Não é hora de ir para a cama?"

“Não tenho três anos, amanhã nem tem escola”, ela bufa irritada, sem prestar atenção especial em mim.

Dou-lhe um beijo rápido e carinhoso na testa que ela parece não gostar, pego minha bolsa e saio de casa, em seguida desço as escadas correndo.

Como era de se esperar, está muito frio, mas felizmente não chove mais. As ruas não estão movimentadas, as lojas estão fechadas e as luzes das casas estão apagadas, minha mãe me perguntou o que uma menina está fazendo sozinha a esta hora da noite em um bairro ruim. Reviro os olhos com esse pensamento e continuo andando rapidamente esperando não encontrar ninguém. Algumas vezes encontrei traficantes e encapuzados e desde então sempre tive um pouco de medo.

Posso finalmente ver a placa iluminada “Paraíso” e posso respirar aliviada ao passar por uma rua estreita, em direção à entrada secundária.

Cumprimento Oscar, o segurança, que me deixa entrar com um sorriso amigável e, sem fôlego, caminho rapidamente pelo corredor até chegar à última porta, a do vestiário.

-Onde diabos você estava?- Jennifer me repreende assim que entro e corre em minha direção com um ar aliviado, -Achei que tinha que subir no palco no seu lugar!-

"Eu gostaria de ver você", brinco e imito-a fazendo movimentos descoordenados com os braços, fazendo-a rir, o que relaxa os músculos do rosto.

“Chloe!” Sharon também me cumprimenta, se aproximando para me abraçar, ela já vestiu seu maiô brilhante e está segurando sandálias de salto altíssimo. Seus cabelos loiros e lisos balançam a cada movimento e seus olhos azuis se destacam graças à marcante sombra preta.

"Tive um dia ruim, por favor me ajude a me maquiar", peço e tiro as calças, jogando-as em uma cadeira no canto da sala grande e hostil.

“Então você ficará feliz em saber que não tem quartos esta noite”, Jen me diz com um alfinete na boca, determinada a fazer algumas mudanças no traje da recém-chegada, uma russa com sotaque marcante.

“Não tenho quartos?” repito com entusiasmo e meus lábios imediatamente se curvam em um sorriso feliz.

"Deus te abençoe, eu tenho o quarto vermelho", reclama Sharon com uma careta enquanto me diz para fechar os olhos e depois escovar minha pálpebra com um pincel.

“Você quer ser um anjo ou um demônio esta noite?” Jen pergunta na minha frente, segurando o cabide com o maiô branco em uma mão e o vermelho na outra.

-Me dá o branco, por algum motivo estranho me faz ganhar mais.- decido apontando para ele com o dedo indicador da unha laqueada.

-Homens gostam de garotas doces e inocentes.- Sharon ri e ataca os irritantes cílios postiços, me fazendo chorar.

"Felizmente não, caso contrário não teríamos emprego", brinco e Jen puxa meu longo cabelo castanho claro em um rabo de cavalo alto, tentando domar seus cachos, e então me entrega um par de botas até o joelho. um material barato que definitivamente vai me deixar com coceira.

Eu os coloco e assim que Sharon termina de passar batom pegajoso em meus lábios carnudos, passo um pouco de óleo por todo o corpo, o que deixa pequenos brilhos em minha pele macia.

Olho meu corpo esguio no reflexo do espelho de corpo inteiro, ajustando o sutiã e a calcinha branca de couro sintético que revela minhas nádegas redondas e firmes.

“Chloe, está na hora.” Jen faz um gesto para eu me apressar, me joga uma faixa dourada e pega seu microfone, então sai da sala e caminha comigo pelo corredor com suaves luzes vermelhas.