Biblioteca
Português

Casada por acidente com o CEO

114.0K · Finalizado
Edi Beckert
71
Capítulos
149.0K
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

Atenção! Recomendado para +18 anos. Cenas de sexo explícito. Luana faz tudo o que pode, e o que não deveria, para recuperar o amor do namorado que não a merece! Ela paga por dois dias em um cruzeiro de luxo, mas ao acordar pela manhã, se assusta ao perceber que se enganou de quarto, e de namorado! Ela havia dormido com um estranho, e nem sabia o que fazer! Igor é um CEO bem sucedido, e pensa que o dinheiro pode comprar tudo, ao perceber que aquela não é quem ele pensou, ele se sente enganado por ela, e a ignora por já ter a namorada que ele ama! O problema é que um mês depois, a Luana descobre uma gravidez, e gostaria de ter se jogado no mar, enquanto ainda dava, foi engravidar justo de um desconhecido que a ignorou, e depois pensou que ela o havia enganado? Ela realmente era muito azarada, e uma azarada com uma dívida alta para pagar à um agiota! Mas, nem tudo saiu como eles haviam planejado, e por influências e também o bebê, eles acabam se casando! Igor não aceita direito toda essa situação, e eles começam a entrar em conflitos e complicações, principalmente depois que ele pede que ela assine um documento de divórcio com dez meses de casados! Seria possível o amor surgir em meio a essa confusão? Quanto tempo a Luana precisará para dar a volta por cima? Igor terá que rebolar para ter a sua esposa de volta, será que ela lhe dará uma nova chance? Vem descobrir comigo!!!

dramapaixaosegredosdominanteCEObilionário

Uma nova tentativa

CAPÍTULO 1

Luana Davis

A minha vida está um caos. Trabalho tanto e quase não tenho tempo de lazer; estou a ponto de perder o homem que eu amo devido à correria, e isso precisa mudar. Eu sempre fui do estilo quietinha, daquelas que pensa que precisa agradar a todos e faz o que pode para ver todo mundo bem, mas ultimamente está bem complicado.

Acabei de me formar e consegui um emprego como oficial de justiça. Tenho uma mesa pequena, mas muito trabalho, sem contar as dificuldades que tenho com alguns funcionários lá dentro, mas sempre escolho fazer a minha parte.

Vejo que o meu gato está sozinho, então resolvo contar logo de uma vez a novidade:

- Vai ficar tudo bem, amor. Eu prometo que nós vamos naquele cruzeiro que prometi! - falei a ele, que estava sentado no meu sofá, com a mesma cara fechada de sempre.

- Conseguiu dinheiro? - perguntou, virando-se para me olhar.

- Consegui. Vamos na sexta e ficaremos dois dias lá! - disse empolgada, abraçando-o de lado e até apertei.

- Ufa, que bom! Porque eu usei aquele dinheiro do débito que você deixou comigo e o cartão roxinho. Ainda não encontrei emprego! Mas se tá pagando cruzeiro, então a coisa tá boa, né? - comentou ele meio frio. Eu sei que ele anda chateado com algumas coisas...

- Tudo bem, amor, não tem problema! Eu dei outro jeito de pagar esse cruzeiro. Só quero que nós fiquemos bem!

- falei, beijando-o, e ele suavizou um pouco a expressão.

- Vai ficar no mesmo quarto que eu? Já estou cansado de você me enrolar! - questionou, olhando meio atravessado. E eu sabia do que ele estava falando.

- Sim, é um cruzeiro de luxo. Você vai ver como vai gostar de lá! A piscina é incrível. Eu vi as fotos de tudo, inclusive do quarto, e ficaremos juntos. - Disfarcei, pois, na verdade, ele é muito bonito e bem-arrumado, e eu sou tão simples, digamos que até desajeitada.

- Hum, tá bom! - respondeu apenas, mas eu tenho certeza de que vai dar tudo certo.

Os dias foram passando e eu precisei me organizar e arrumar tudo, e só tive tempo depois do trabalho, pois aquele escritório me prende bastante lá. Então, nós nos vimos bem pouco nesses dias.

No escritório...

- Luana! Você precisa organizar esses documentos, eu não vou ter tempo! - diz a minha colega de trabalho, mas não entendi muito bem.

- Mas essa não é a sua função? Pensei que fosse você a cuidar desses tipos de processos e também das visitas e penhoras! - respondi.

- É que eu não vou ter tempo, as visitas já me cansam o suficiente, você se vira, não é? Eu já vou indo, tenho pressa!

Ela nem espera eu responder e sai, me deixando com tudo. Eu já estou acostumada, os trabalhos chatos e burocráticos sempre sobram pra mim, e eu acabo fazendo, pois alguém precisa fazer, não é?

Não sou uma mulher ambiciosa, tenho vinte e cinco anos, sou recém-formada e estou satisfeita com o meu emprego. Claro que tenho o sonho de um dia encontrar o meu príncipe encantado e viver um daqueles romances de livros e novelas. Só espero estar andando no caminho certo.

No dia do cruzeiro...

O meu namorado veio aqui na minha casa, mas começou a se arrumar no meu banheiro. Disse que aqui eu tenho de tudo e aquele cabelo exige um cuidado absurdo, de acordo com ele. Então, tudo bem! O problema é que ele estava demorando demais, e eu já estava preocupada, então o chamei:

- Amor! Não demore, falta pouco tempo para o nosso embarque! - falei para ele, que ainda estava se arrumando.

- Já estou pronto, você que é acelerada! - o vi me olhando de perto. - Por que não tira esses óculos hoje, Luana? Coisa feia!

- Eu não enxergo nada sem eles, não consigo! - digo desanimada, pois me empenhei muito para conseguir fazer esse cruzeiro. Precisei emprestar trinta mil de um agiota e ainda nem sei como vou conseguir pagar. Vou ter que ver isso depois, mas não importa, pois vai valer a pena e vou recuperar o meu relacionamento.

Eu sempre faço de tudo para agradá-lo, mas eu não sou do tipo tão atraente, e ele nunca gostou dos meus óculos. Não sei se o problema são as lentes ou a armação preta, mas sei que o nosso relacionamento tem dado errado. Deve ser porque eu trabalho demais e não tenho tempo para ele, e ele é muito carente.

Nós enfim pegamos um carro de aplicativo para irmos, ele foi no banco da frente e precisei ficar sozinha atrás, mas na hora em que fui usar o meu cartão...

- Foi recusado, senhora! - falou o motorista, e franzi o cenho.

- Como? Ainda tinha bastante limite ontem...

- Eu precisei usar, gracinha! Gosto do seu devido aos pontos, mas você pode usar o outro, você não liga com isso, não é? - perguntou com aquele olhar que me derrete toda e claro que eu não negaria nada a ele, eu o amo tanto!

- Claro que não! Tá tudo bem! - falei isso, mas por dentro eu estava preocupada com os gastos, mas se for por ele, ou para ele, eu não ligo. A única coisa que me importa é que nós se reconciliemos, acredito que duas noites serão o suficiente, eu nunca me entreguei a homem nenhum, mas hoje serei totalmente dele. O amo muito e sei que é isso que ele deseja, pois sempre foi um mulherengo e já não deve estar aguentando essa situação.

Estava tudo quieto no carro e eu estava me sentindo esquisita, com dores no corpo e o nariz escorrendo, então comecei a espirrar.

- Estou um pouco resfriada, hoje! O meu corpo não está nos melhores dias, atchim! - falei e espirrei, ele olhou-me e então disse:

- Já melhora, frescura a sua! - falou meio sorrindo, acho que estava brincando, mas não falei mais nada.

Quando chegamos no local, eu pensei que ele me ajudaria, mas foi saindo na frente, analisando a vista e me deixou para trás com as malas.

- Atchim! - espirrei novamente.

- Você traz, não é? Vou procurar um banheiro, e quando encontrar o quarto descanse um pouco, que logo irei pra lá! - disse ele e sumiu na frente, mal enxerguei onde ele estava indo ou em qual direção.

Só vi quando ele subiu a grande rampa que dava acesso ao navio e era lindo demais. Fiquei preocupada se conseguiria levar tudo e ainda encontrar o quarto, mas tudo bem... lá vou eu!

O lugar era maravilhoso, enorme! Parecia uma cidade flutuante, com piscinas, mesas com cadeiras e guarda-sóis e esteiras. Dava para ver os quartos com vista para o mar, era muito lindo.

Cheguei com certa dificuldade até a grande rampa que dava acesso ao convés do navio e já tinha muita gente entrando naquele momento, mas também estava bem em cima da hora.

Passei pelas mesinhas, cada uma com um guarda-sol em cima, e depois já desci para a parte dos quartos; eu apenas me lembrava do número que era cento e vinte dois, mas certamente eu o acharia, não é?

Eu estava suando frio e as malas estavam pesadas, fui entrando com dificuldade e ainda para ajudar, os meus óculos estavam um pouco frouxos, e eu precisava ajeitar constantemente, então com as mãos ocupadas dificultou bastante.

Fui entrando e o espaço não era grande para caminhar com malas, tinham várias pessoas e eu fui desviando como podia, dava para notar que todos estavam muito bem vestidos, indo de um lugar para outro.

Eu estava sentindo a minha pele soar frio e quando eu menos esperei, senti o meu corpo sendo empurrado por alguém e os meus óculos caindo no chão. No mesmo instante esse alguém me segurou, e quando percebi estava praticamente deitada no colo de um homem. Um homem que nem conheço, inclusive!

Eu estava sem os óculos, então eu via apenas um vulto, uma imagem vaga do rosto dele, mas o cheiro era ótimo. Parecia ser muito bonito e ele tinha braços fortes e ágeis, que me desestabilizaram tanto que até quis permanecer ali. "Eu teria enfim encontrado um príncipe encantado?" penso.

Me senti confortável nos braços dele, esqueci de tudo ao meu redor. Parecia que o tempo tinha parado ou estava em câmera lenta. Ninguém nunca me protegeu assim e gostaria de estar com os óculos para poder vê-lo melhor! "Óculos? Cadê os meus óculos?" penso, e sou tirada do transe com o barulho de algo quebrando próximo a mim.

- Droga! - falei meio baixo, mais para mim mesma.

- Deveria tomar mais cuidado e não ficar colocando os óculos no chão! - disse ele me erguendo, e eu me desliguei do transe em que entrei.

No momento seguinte, entendi que eram meus óculos que haviam quebrado.

- Oh! Me desculpe, senhor! Eu sou mesmo muito descuidada. Deveria ter prestado mais atenção. Me desculpe mesmo! - eu fiquei repetindo, mas o homem não levou muito em conta. Ele me entregou o que restou dos óculos quebrados e foi saindo aos poucos, me deixando novamente sozinha com o corpo dolorido e cheio de malas.

Observei muitas pessoas me olhando, pois pararam todas na minha volta, provavelmente acharam-me uma maluca e com razão.

Mas, estava tudo bem! Eu dei mais uma olhadinha, mas agora de longe seria impossível de identificar aquele homem, já estava escuro e eu quase não conseguia ver, e estou bem curiosa para saber como conseguirei encontrar o nosso quarto, os números parecem borrões e já estou com os braços cansados, e nem sinal do meu namorado por aqui. Tomara que dê tudo certo, investi tanto dinheiro nisto...

Entrei num grande corredor, era bem chique, com detalhes de plantas nas laterais e um tapete vinho espalhado no chão, um jogo bonito de luzes brancas com amarelas e a porta estava destrancada; pelo que olhei era aquele mesmo, vou ajeitar as coisas e vou fazer uma surpresa para o meu gato, trouxe uma camisola "sexy", e ele vai chegar aqui e nem vai acreditar que sou eu mesma, não quero que nada dê errado hoje, me programei demais para isto e o meu futuro depende da nossa reconciliação.

Estou nervosa que seja a nossa primeira vez, na verdade a minha. Mas, já andei estudando um pouco sobre isso e acho que vou conseguir agradá-lo, aprendi até umas coisas para fazer nele, só não pode dar errado, mas, não vai dar!