Biblioteca
Português

AMOR DO CEO MAFIO

121.0K · Finalizado
Antho Mo
80
Capítulos
960
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

Brad Smith, CEO de uma empresa de transporte internacional, bilionário e mafioso, foi gravemente ferido enquanto caminhava sozinho na praia à noite. Uma jovem imigrante, fugindo da polícia de fronteira, deparou-se com seu corpo ferido. Ela o usou, levou-o para seu abrigo e salvou sua vida. Jennifer Robert tornou-se sua fada madrinha, que o fez lembrar de sua falecida mãe. Ele se apaixonou à primeira vista e não queria se separar dela. Para mantê-la ao seu lado, ele propôs um contrato de casamento de dois anos. Mais tarde, ele descobriu que ela era filha de seu maior inimigo, então quis se vingar e mudou radicalmente com ela. Algum tempo depois, ele descobriu que Jennifer não era sua filha biológica e quis recuperar o que havia perdido. No entanto, essa descoberta chegou tarde demais, pois ela fugiu do lado dele quando soube de seu lado cruel e de suas ligações com a máfia. Além do fato de que ela carregava os gêmeos de Brad em seu ventre...

dramaromanceamor verdadeirovingançamafiabilionáriomenina boa

Capítulo 1: Fuga

Fronteira entre a Colômbia e a Venezuela...

O narrador:

Era uma noite quente e tórrida, no meio do verão, entre as fronteiras da Colômbia e Veneza. O clima da cidade de Frontera é do tipo seco, correspondendo a uma vegetação típica da aridez, e os habitantes da região têm dificuldade para dormir ou até mesmo para manter a calma.

Brad Smith, um rico empresário bilionário, CEO da Smith International Transport Company, decidiu fugir de seus agentes de segurança. Da sacada de seu quarto, ele saiu sem ser visto até a beira da praia, desejando sentir a brisa do mar e a liberdade de qualquer mortal.

Em sua grande e luxuosa mansão, localizada na costa, à beira-mar, seus amigos e familiares estavam comemorando a chegada do novo milênio. No entanto, ele estava melancólico, apesar de sua fortuna, de seus negócios bem-sucedidos, sentia uma profunda tristeza, não conseguia encontrar prazer ou diversão em nada naquele momento.

Neste ano novo, ele completará trinta e cinco anos de idade. Ele é bonito, musculoso, alto, com a pele bronzeada pelo sol. Apesar de ser um adônis e ter um ímã para as mulheres, ele se sente solitário, seu maior desejo é encontrar alguém que o ame pelo que ele é e não pelo que ele representa. Ele tem muitas mulheres, mas elas se concentram apenas em seu status e fortuna.

Brad:

"Estou me sentindo entediado com essas longas festas, cercado de amigos e familiares, e desejo algo mais", pensei, caminhando sem rumo, aproximando-me da orla da praia.

"A única coisa que até agora me empolga e me motiva a ser cem por cento produtivo é a espera por minhas meninas mimadas. A incerteza de ser descoberto pela guarda costeira gera fortes emoções em mim", analisei com um sorriso.

Refletindo sobre isso, fiquei vagando pela praia por um tempo, ultrapassando os limites de minha propriedade. Devido ao forte calor, decidi tirar a jaqueta e os sapatos. Com eles em minhas mãos, caminhei bem devagar, em um estado contemplativo entre o mar e o céu estrelado. Quando, de repente, ouvi...

"Bang! Bang! Bang! Bang! Bang!" Os tiros foram disparados.

Quando peguei minha arma, lembrei que a havia deixado em meu quarto, então corri para trás de uma pedra para me esconder. Ouvi novamente mais dois tiros, um deles me atingiu no ombro, então caí ferido, sentindo formigamento, fraqueza e dormência no braço.

Além disso, meu ombro estava quente, sensível e dolorido. Antes de perder a consciência, senti alguém tropeçar em mim e cair em cima de mim....

Jennifer:

"Oh, meu Deus, era isso que eu estava perdendo! Um bêbado deitado na praia", sussurrei assustado, caindo em cima de alguém, que aparentemente estava bêbado e dormindo.

Pensando e agindo rapidamente, tirei a roupa, soltei o cabelo, afrouxei o cinto e o cós da calça do bêbado e fingi que estávamos dormindo, fazendo amor. Enfiei meu corpo na jaqueta do homem, para que o guarda de fronteira, que estava me perseguindo, não me reconhecesse.

"Eles deveriam pagar por um quarto em qualquer motel!", rosnou o policial, mas olhando para os lados, como se estivesse procurando alguém.

"Sim, então!", respondi em uma voz rouca, imitando o dialeto local.

"Você viu alguém passar por aqui?", perguntou o guarda, apontando uma lanterna para os arbustos.

"Não, bem... O que eu vou ver acontecer? Eu estava dormindo e você me acordou com todos esses tiros e mais tiros", eu disse, fingindo estar mal-humorado e novamente usando o dialeto dos nativos dessa região.

"Ei, seu amiguinho, ele está tão bêbado que nem acordou", disse o guarda, sorrindo. "E você sabe, da próxima vez, deixe-o levá-lo a um motel", disse o guarda.

"Sim, bem, eu vou...!", respondi, prendendo a respiração para não soltar um suspiro de alívio. Ao ver o guarda se afastar, perseguindo-me, soltei um suspiro suave e inaudível.

Imediatamente peguei meu vestido, que escondi embaixo do homem bêbado. Quando o tirei, ele estava molhado e cheio de sangue. Então, eu o movi, examinei-o e percebi que ele estava ferido. Ele tinha um ferimento de bala nas costas, bem próximo ao ombro.

Ele era um homem muito forte e musculoso, por isso tive dificuldade para tirar sua camisa. Rasguei-a e com ela fiz uma espécie de curativo para estancar o sangue. Depois me vesti e coloquei a jaqueta dele por cima, para cobrir o sangue no meu vestido.

"Ele deve ter cerca de um metro e oitenta e ser muito pesado", calculei, pensando em como levá-lo para o abrigo, para curar o ferimento.

"Nada! Vou tentar acordá-lo e, se não conseguir, vou arrastá-lo para longe", pensei, com os olhos fixos nos arbustos para onde eu deveria ir.

"Vou rezar para que os santos interfiram para não encontrar o guarda de fronteira novamente", pedi silenciosamente, olhando para o céu e levantando a mão para o rosto do estranho.

Comecei a lhe dar tapas para acordá-lo, mas nada, ele não se mexia, estava inconsciente. De qualquer forma, insisti e consegui fazer com que ele se levantasse e se apoiasse em mim. Então o levei para o abrigo, onde o coloquei na cama, procurei meu kit de primeiros socorros para tratar o ferimento, mas ele havia desmaiado novamente.

(***)

Jennifer:

Rapidamente troquei minhas roupas. Em seguida, concentrei-me no homem ferido e terminei de despi-lo, observando que era um homem de cerca de 35 anos. Ele também era muito atraente, atlético, e suas mãos mostravam que ele nunca havia feito nenhum trabalho pesado. Elas eram macias, elegantes e muito bem cuidadas.

Quando examinei seu corpo sob a luz, notei que a bala entrou e saiu. Agradeci aos meus santos por isso. De repente, foi um ferimento que não afetou nenhum outro órgão, então ele pôde ser salvo, mesmo tendo perdido muito sangue.

Imediatamente verifiquei bem o ferimento, limpei-o e iniciei o processo de cicatrização com os poucos medicamentos que eu tinha. Quando terminei de suturar o ferimento, sentei-me ao lado dele para observar qualquer reação. De manhã, acordei e ouvi meu nome.

"Jennifer! Jennifer!", eu os ouvi me chamando. Saí imediatamente para impedi-los de entrar em meu quarto rústico.

"O que está acontecendo?", gritei, aproximando-me do grupo.

"Oh, Deus! Achamos que você tinha sido preso. Não devemos correr esses riscos, mesmo que seja o encontro", alertaram minha prima e sua amiga, que pareciam desesperadas, talvez porque eu seja a mais jovem das três e a menos experiente.

"Estou bem!", assegurei a eles, informando que estava indo para a cama.

"Não vou contar a eles sobre o homem ferido que levei para o abrigo, porque eles não me deixarão cuidar dele depois. Todos vão se opor por medo de se meterem em encrencas, mas não vou deixá-lo morrer porque, graças a ele, fui salvo de ser detido pelo guarda", pensei, determinado a ajudá-lo.

Naquele primeiro dia do Ano Novo, passei-o cuidando do estranho, que começou a apresentar sintomas muito fortes de febre e mal-estar, e ficou delirando:

"Charlie, Charlie... Fui atingido, Charlie, fui atingido", ele gritou, em voz baixa, como se não quisesse ser ouvido. Era uma voz masculina, rouca e hostil.

"Acalme-se, por favor! Acalme-se! Não fale para que ninguém mais o ouça", implorei no ouvido do homem ferido, preocupado que o resto dos imigrantes que estavam comigo nesse refúgio clandestino percebessem que eu o tinha lá, escondido...