Biblioteca
Português

A prometida do Capo italiano

219.0K · Finalizado
Edi Beckert
200
Capítulos
49.0K
Visualizações
9.0
Notas

Resumo

Este livro é recomendado para maiores de 18 anos. Conteúdo de sexo explícito, violência e temas sensíveis, podendo assim ser considerado um romance Dark. SINOPSE: Na máfia italiana, acordos são feitos. Laura não conseguiu fugir do seu destino, e acabou se casando com aquele que seu pai escolheu junto ao seu irmão para se unir, porque tudo a levava a crer, que era um bom homem e de princípios. Mas no dia do seu casamento, Laura conheceu quem Alexander Caruso realmente era, ao mudar completamente o seu comportamento. “O que aconteceu com você? Não estou entendendo!“ “Nada! — jogou a mala dela no chão, deixando com que as suas roupas espalhassem como se não fossem nada. — Sou Alexander Caruso, e não o idiota com quem pensou que casou! Não espere nada de mim!“ O problema foi que ele nunca imaginaria que uma moça simples e silenciosa guardava dois segredos, e assim que se levantou, começou a conhecer um deles quando ela arremessou uma faca que guardava no lindo espartilho branco que usava. — Bem vindo ao inferno!

mafiapossessivobxgbrigasCasamento arranjado

O casamento

CAPÍTULO 1

Laura Strondda

— Pronta? — ouço aquela voz vindo do meu lado direito e sorrio para minha cunhada, Fabiana.

— Eu não tenho medo! No fundo, meu pai e meu irmão, me deixaram dar a palavra final, e aceitei com boa vontade esse acordo. Alexander Caruso é um bom homem, vem de família muito honrada que segue melhor do que a gente, muitos princípios. A máfia da Sicília tem regras rígidas. — me expressei, apertando os dedos e estralando para acalmar os nervos.

— Isso na teoria, né? — Rebeca, irmã da Fabiana mencionou enquanto verificava as unhas.

— Vamos, é melhor não atrasar! — Fabiana gargalhou ao dizer, então apenas sorri e segui com ela até o carro.

Jamais quis um casamento arranjado, mas Alexander é tão prestativo e bom, que me fez pensar que isso não seria tão complicado como dizem.

Quando chegamos, a igreja já estava lotada. Alex estava no altar me esperando, e senti um frio na espinha ao perceber que ele estava muito mais sério do que o normal... devo estar muito ansiosa para ficar vendo coisas que não existem, “o meu rosto deve estar exatamente, igual”.

Quando meu pai me entregou a ele no altar, Alex deu um leve sorriso após segurar na minha mão, e respirei aliviada, “estava tudo bem!“

Senti a sua mão quente na minha, e mesmo de frente eu via de canto de olho como ele me olhava enquanto a cerimônia acontecia, deve estar ansioso para a lua de mel, assim como eu.

Embora eu não precise de prova nenhuma do sangue no lençol, sei que na Sicília eles presam muito um casamento quando há pureza, e o fato de saber que não há divórcio, também me deixa um pouco apreensiva, mas ficará tudo bem.

De frente para ele, sorri ao vê-lo declarar os votos olhando para aquele cabelo charmoso, levemente bagunçado, com proximidade àqueles olhos castanhos marcantes e a barba tão perfeitamente desenhada no seu rosto de pele tão perfeita.

Na minha vez também fiz questão de olhar nos seus olhos, na máfia siciliana eles presam muito a confiança, não pode haver adultério, pois se você é capaz de trair, quem confia em fechar os olhos e dormir ao seu lado, você não é digno de confiança de ninguém!

Quando acabou, senti aquele calor absurdo que tenho sentido toda vez que ele me toca. Alex me beijou como nunca, ignorou os aplausos depois do “sim”, me soltei nos braços dele e pela primeira vez relaxei, enfim estava com o meu marido, a quem eu poderia confiar a partir de agora.

O meu corpo inteiro arrepiou, senti algo estranho e aquela compressão no meio das pernas voltou, “estou louca para saber como será ter um homem ali, e será hoje!“

Quando ele me colocou em pé já estava atordoada, olhei para aquela igreja lotada ficando sem graça, mas logo tudo ficou leve e divertido. Alex se afastou para fazer algumas ligações e aproveitei para me despedir da minha família, pois ficaremos quinze dias na Sicília, (onde ele morava antes vir para Roma), em lua de mel.

— Vamos? Já está pronta? — ele perguntou ao se aproximar, encostando aquelas mãos quentes na minha cintura, por trás, e me controlei para não demonstrar a minha ansiedade na frente dos meus pais.

— Sim, só preciso buscar as malas no carro do meu pai...

— Ah, pode deixar, eu faço isso! — como sempre, ele logo se prontificou, me fazendo sorrir novamente.

Me despedi da minha mãe outra vez, e então fui até o carro do Alex para irmos até o avião.

Quando entramos no jato dele, estava calado. Acabei encostando a cabeça no assento e cochilando.

— Laura! — acordei com ele me chamando e levei um susto. — Chegamos! Se apresse!

Tirei o cinto e me levantei. Um homem de preto que veio com a gente, carregou as minhas coisas depois que cochichou com o Alex, e então fui entrar no carro e ele abriu a porta de trás e quando entrei ele fechou, “ué? Não vai sentar comigo?“ Pensei quando o vi ir na frente com o motorista.

Fiquei na minha, deve ser alguma conduta rígida da Sicília ou relacionado com o seu cargo de Capo-regime... não demorou nada, percebi que entramos num lugar de muros altos e portão automatizado, havia outros homens de preto lá dentro.

Alex desceu e não abriu a minha porta como de costume, então eu mesma abri. Porém, quando me viu o seu rosto se transformou.

— Porque abriu a porta? — estranhei e sorri.

— Você está realmente engraçado, hoje! — recebi um olhar pesado, e por um momento voltei a sentir aquele frio na espinha, “o que tem de errado?“ Pensei.

— Pegue as suas coisas e me espere no quarto, a Magnólia vai te acompanhar! — olhei para o outro lado e vi uma mulher com base de uns trinta e cinco anos de cara fechada, então fiquei observando e ele não entregou as minhas coisas, eu tive que pegar no porta-malas.

Havia muitos homens lá fora e não quis conversar com ele ali, então entrei conforme ele me pediu e fui até o quarto. “Ele parece ser mais rico do que imaginei”, pensei ao olhar tudo em volta.

Comecei a tirar os sapatos e depois me olhei no espelho para retirar o véu e os grampos do cabelo, quando ele entrou.

— Alex, o que está acontecendo? O que aconteceu com você? Não estou entendendo! — perguntei ao me virar para ele.

— Nada! — ergueu a minha mala que estava aberta do chão, deixando com que as minhas roupas espalhassem como se não fossem nada. — Sou Alexander Caruso, e não o idiota com quem pensou que casou! Não espere nada de mim! — atacou a minha mala com força no chão.

— O que é isso? — fiquei paralisada, vendo o seu olhar de desprezo sobre mim, um olhar que jamais havia presenciado, antes. “Que merda era aquela?“

— Tire as roupas e deite-se na cama!

— O quê? Acabamos de chegar, não comi nada, nem conversamos, eu...

— Cale a boca! Já aguentei demais a sua reclamação, mulher minha faz exatamente tudo o que eu mando, e acabou! — apertou o meu queixo de repente e com força, foi empurrando o meu corpo até a cama, e sem reação senti quando caí sobre o tecido macio do lençol.

Eu me gelei por inteira, o olhei assustada, começando a entender o que havia acontecido.

— Você... me enganou? Traiu a minha família, traiu a corporação? Porque fez isso, quando te dei toda a minha confiança? — perguntei calmamente, sentindo a minha pele arrepiar, as unhas encostando na palma da mão e os dentes doerem ao comprimirem um no outro... a raiva já me dominava, faltava muito pouco para que eu perdesse o juízo.

— Pare de se fazer de ingênua, porque não combina com você! Não sou idiota, sei de tudo o que fez, e não vou cair na sua conversa! — esse homem não me conhece para dizer algo assim, precisaria ser esperto demais para saber o que faço nas horas vagas, ele deve estar falando de outra coisa...

— Do quê está falando? Eu...

— Se não calar a boca e me respeitar, as coisas vão ficar piores! Te aconselho a engolir o seu orgulho de garota mimada e traiçoeira e me obedecer! Agora tire esse vestido horroroso e deite-se, porque quero o que é meu! — tirou o blazer com raiva e arregalei os olhos. — Paguei um preço absurdo para ter você, e se não cooperar... — bateu palmas duas vezes e uma televisão na parede ligou, olhei e vi uma imagem da cabeça do meu pai no escritório de casa, então o meu juízo esvaiu.

— MALEDETTO! MALEDETTO TRAIDOR! EU ACABO COM VOCÊ! — levantei com força o empurrando e gritando com ele, sem acreditar que fui enganada a esse nível. — MALEDETTO! MALEDETTO. — ele gargalhou ao invés de se defender, então a porta foi aberta com força, era um soldado de preto.

— Meu Deus, o que está acontecendo, aqui! — o soldado perguntou apavorado, olhando para todos os lados.

— RETIRE-SE DO MEU QUARTO, AGORA! — Alexander gritou e o homem pareceu em dúvida, me lançou um olhar preocupado, mas virou as costas obedecendo ao Siciliano, que nesse momento tirou uma pistola da cintura e disparou no soldado, que provavelmente caiu morto no chão, pela quantidade de tiros. — LIMPEM ESSA MERDA! — Gritou para outros soldados e voltou a fechar a porta, agora com a chave. Levantou a pistola para mim.

— Tem dez segundos para ficar nua! — olhei aquela arma e pensei que fui muito idiota, mas não seria mais...

— Vai para o inferno!