Biblioteca
Português

A CONEXÃO LÉSBICA TRANSCENDENTE,

63.0K · Finalizado
Érotique+ TV
32
Capítulos
138
Visualizações
7.0
Notas

Resumo

I- A história se passa em torno de um grupo de jovens que percebem que não são tão exclusivamente heterossexuais como inicialmente pensavam. Ao retornarem de uma festa, eles se encontram em um beco sem saída, com um carro quebrado e sem sinal de telefone. Eles descobrem uma casa mágica onde decidem descansar. Esta casa mudará a compreensão que eles têm da sexualidade de uma forma duradoura. Cada um será levado. Luna, separada das amigas, é atraída para um ousado jogo de cartas com um grupo de lésbicas, que lhe permite descobrir um novo lado de si mesma. Ela se deixa seduzir por uma mulher de temperamento rebelde e vivencia sua primeira relação sexual. Samirah é alienada de seus amigos por uma mulher que era seu modelo e a quem ela admirava muito. Ela está disposta a fazer qualquer coisa para se tornar um modelo semelhante a este. Uma garota quieta ajuda Jemima a chegar a uma sala para fazer um telefonema, onde Jemima descobre que a vida é muito mais do que relacionamentos com meninos. “A CONEXÃO LÉSBICA TRANSCENDENTE” é uma história que entrelaça elementos de mito, ficção, mistério e magia. Este título transporta-nos às profundezas do êxtase, explorando assim as profundas transformações vividas pelas personagens. II- Todos somos responsáveis, de uma forma ou de outra, pelas ações que praticamos. Infelizmente, no meu caso, nunca foi isso que eu queria. Meu mundo era verdadeiramente celestial. Eu tinha uma família unida. Apesar dos nossos vários problemas, meus pais sempre fizeram o possível para nos poupar do sofrimento causado pela abstinência, porque diziam: “Todos nós já passamos por isso”. A partir de agora, devemos compreender que os erros, as promessas e as dívidas deixadas pelos nossos pais, sejam elas boas ou más, nos afetam, não importa as circunstâncias. Foi depois da morte deles que percebi que nada mais seria como antes. A vida nem sempre termina de maneira ideal. Neste primeiro volume, vimos o mal, a maldade e as trevas do coração humano dominarem. Vimos traição, falta de confiança, solidariedade e cultos negativos controlando a vida das pessoas. Mesmo que seja ficção, optei por revelar uma parte obscura da vida humana, onde o invisível convive com o visível e dita as suas leis. Existe em particular o mistério do sexo, porque nem tudo se faz sem consequências. Vampiro sexual, assassinatos rituais... " É O BASTANTE "; O livro [I e II] intitulado “A CONEXÃO LÉSBICA TRANSCENDENTE, nos levará às profundezas do êxtase Por LOLO

fanficbxgmxmfantasiaromancepossessivodominante

I- Capítulo 01:

-PÁGINA: ERÓTICO + TV

-TÍTULO: A CONEXÃO LÉSBICA TRANSCENDENTE

-AUTOR: LOLO

-CAPÍTULO 01:

O carro de Eunice quebrou após retornar de uma viagem com quatro amigas. Era um grupo de universitárias voltando de uma festa quando o carro dela começou a causar problemas. Eles estavam no meio do nada, em uma zona morta, o que inutilizava seus celulares. Eunice era uma linda garota vietnamita de vinte anos com um corpo pequeno e delicado, longos cabelos negros e olhos castanhos escuros. Ela estava com medo de ter que andar no escuro com Deus sabe o que estava escondido lá dentro. Quando ela viu a luz de uma casa distante, ela sentiu esperança de que sua terrível provação terminaria em breve.

Ela checou o telefone na esperança de ver um sinal, porque se sentia desconfortável em bater na porta de um estranho. Não havia como saber quem estava por trás disso ou que perigo os aguardava. Não que ela sentisse que seu sexo era fraco e incapaz de se defender em momentos de perigo. Ela era feminista, mas sabia que até um homem teria dificuldade em confrontar uma pessoa armada. Eunice não era estúpida o suficiente para pensar que cinco mulheres poderiam confrontar alguém com uma arma e que, se as coisas desse errado, nenhuma delas teria como pedir ajuda.

Eunice tentou afastar o medo enquanto se aproximava de casa, dizendo às amigas que tudo ficaria bem. A música que ela ouviu vinda de dentro ajudou a tranquilizá-la. Ela não era o tipo que um homem ouviria, a menos que estivesse tentando conhecer uma feminista. Ela deu um suspiro de alívio quando percebeu que haviam encontrado uma casa de propriedade de uma mulher.

Cada uma das músicas que Eunice ouviu estava em sua playlist feminista, o que reafirmou sua crença anterior de que esta casa pertencia a uma mulher. Quem quer que estivesse tocando aquela música naquela casa estava dando uma festa, e quando ouviu uma música de Dawn Lyle, soube sem dúvida que era uma festa feminista. Alguns homens chamaram a cantora de feminazi porque não conseguiam lidar com uma mulher que não conseguiam controlar. Dawn Lyle era uma de suas cantoras favoritas e sabia de cor cada palavra de suas músicas.

Quando ela estava prestes a bater na porta, sua amiga Luna a interrompeu, ressaltando que talvez fosse melhor dar uma olhada pela janela primeiro. Eunice concordou que seria sensato antes de anunciar a um grupo de estranhos que estavam à sua porta. Ela não achava que eles estivessem em perigo, mas não custava verificar.

Eunice colocou a cabeça para fora da janela e o que viu a deixou de queixo caído. A expressão chocada em seu rosto preocupou um pouco seus amigos. Depois de abaixar a cabeça, ela olhou para seus amigos com uma descrença atordoada no rosto. Afinal, não se depararam com um partido feminista, mas sim com um partido lésbico.

Eunice diz;

➖Acho que acabamos de entrar em uma casa cheia de lésbicas. Acabei de ver alguns deles se beijando e...

Ela estava chocada demais para terminar.

Os amigos de Eunice fizeram caretas que demonstravam estar enojados com a ideia de mulheres se beijando. Eunice estava demasiado atordoada para revelar todos os detalhes do que tinha visto e não estava tão chateada como as suas amigas. Ela viu duas lindas mulheres se beijando contra uma parede e uma delas estava com a mão na outra e brincando com sua buceta. Eunice não conseguia acreditar no quão excitada ela estava presenciando tal ato entre duas garotas.

O que mais assustou Eunice foi que uma das garotas se parecia com ela e usava a mesma roupa que ela usava agora. Era como se ela estivesse se vendo sendo tocada por outra garota e o estranho é que ela adorava isso. Ela nunca quis estar com outra mulher antes, mas ver duas garotas juntas deu-lhe novos desejos. Havia também outras garotas na sala fazendo sexo e todas pareciam amigas dele.

Carine, com falso desgosto, disse;

➖Não vou lá com um bando de lésbicas

Carine, como o resto de suas amigas, dizia coisas que elas realmente não queriam dizer e o que achavam que as outras garotas queriam ouvir.

Eunice disse-lhes com toda a fé que aquelas mulheres não lhes fariam mal;

➖Não temos escolha. Lembre-se, estas são mulheres, não homens. Tenho certeza que eles serão respeitosos conosco e não agirão como vadias. Se eles tentarem alguma coisa, diga que você é heterossexual e eles o deixarão em paz.

De repente começou a chover tanto que eles ficaram encharcados em segundos. Eles correram em direção à porta, sem se importar mais com o fato de haver lésbicas do outro lado. Eunice bateu três vezes na porta antes que uma linda mulher a abrisse, lambendo os dedos. Eunice a reconheceu da janela onde ela beijava seu sósia. A mulher continuou olhando para Eunice com olhos azuis profundos e cheios de desejo carnal.

A mulher não tentou esconder o fato de estar olhando para os seios de Eunice enquanto lambia os lábios como um lobo faminto. Eunice não usava sutiã e a camisa branca e fina que ela usava estava transparente por causa da chuva. Eunice sabia que deveria se cobrir, mas adorava a sensação de ser sexualmente desejada por outra mulher.

Eunice se surpreendeu ao sentir vontade de beijar aquela mulher encostada na parede com os dedos bem dentro dela. A ideia dessa mulher fazer coisas sexuais proibidas com ele deixou sua boceta molhada. Eunice tentou afastar esses pensamentos enquanto se lembrava de que era heterossexual.

A mulher com um brilho lascivo nos olhos disse;

➖O que temos aqui? Cinco garotas molhadas e bonitas também! Entrem, meus queridos, antes que morram!

Os amigos de Eunice não perceberam a tensão sexual entre ela e a mulher. A ideia de estar com outra garota o assustava e o excitava ao mesmo tempo. Ao entrar na casa da mulher, seu coração começou a bater acelerado ao ver seu reflexo em um espelho na parede. Sua camisa era transparente o suficiente para que ela pudesse ver seus seios em detalhes.

A camisa agarrava-se firmemente aos seus seios pequenos, revelando dois mamilos duros e escuros. Ela não podia mentir para si mesma que tudo se devia à chuva fria, porque ela sabia que não era assim. Assistir a duas mulheres envolvidas em um ato sexual proibido a excitou, e ela não podia acreditar o quão molhada isso a deixou.

As meninas ficaram felizes por estarem protegidas da chuva, mas sentiram-se vulneráveis ​​numa casa cheia de lésbicas. Havia outras quatro mulheres na sala quando elas entraram e, sem que ninguém dissesse uma palavra, cada uma delas pegou pela mão uma das amigas de Eunice, conduzindo-as para diferentes áreas da casa. Eunice ficou sozinha com a mulher atraente que os deixara entrar. Ela sabia que sem seus amigos nada a impedia de cair no encanto sedutor daquela mulher.

Eunice sentiu seu estômago apertar enquanto seu coração batia forte contra seu peito e o calor familiar da excitação subiu em sua virilha. Ela estava com medo de que se esta mulher tentasse alguma coisa com ela, ela seria impotente para resistir aos seus avanços. Seu corpo gritava para ser tocado por aquela mulher enquanto sua mente lhe dizia para fugir.

O tempo desacelerou enquanto a mulher se aproximava dela esperando um beijo. Eunice se viu mais do que disposta a deixar aquela mulher fazer o que quisesse com ela. Ela não conseguia acreditar que uma mulher a estivesse afetando assim ou o quanto ela queria sentir a mulher se abraçando. Eunice podia sentir sua calcinha encharcada de chuva misturando-se com seus sucos ao pensar nesta mulher beijando-a. Ela fechou os olhos para se preparar para o beijo e se sentiu estúpida quando nada aconteceu.

Com um sorriso terno enquanto olhava nos olhos de Eunice, Jasmine disse;

➖Meu nome é Jasmine, você e seus amigos são bem-vindos em minha casa. Não se preocupe com seus amigos, minhas meninas cuidarão bem deles. Se você me seguir, tiraremos você dessas roupas molhadas e vestiremos algo mais, mmm mais quente

➖EUNICE: Eu sou Eunice...

Assim que ela começa a se apresentar, Jasmine agarra sua mão e a puxa para fora da sala.

Eunice sentiu uma sensação agradável percorrer seu braço ao toque de Jasmine e esperou que isso a estivesse levando para a cama. Ela se surpreendeu ao aceitar a ideia de dormir com essa mulher logo após conhecê-la. Ela nunca faria isso com um cara, e levaria alguns encontros antes de chegar a esse ponto.

Jasmine era diferente de qualquer outra mulher que ela conhecera antes, com uma beleza digna de uma deusa. Eunice nunca tinha visto uma mulher com um corpo perfeitamente modelado como o dela, sem quaisquer sinais de defeitos. Cabelo preto longo e lindo, olhos azuis brilhantes, seios lascivos e uma bunda bem tonificada. Ela não poderia ter mais de trinta anos e um corpo de dezenove, mas Eunice tinha a estranha sensação de que aquela mulher era muito mais velha.

Ser uma mulher de 20 anos de ascendência asiática a tornou popular entre os homens. Os homens estavam sempre tentando entrar em suas calças, mas ela não era do tipo que dormia. Não que Eunice não gostasse de sexo e que estivesse longe de ser puro. Eunice precisava estar confortável com um homem antes de poder fazer sexo com ele.

Eunice ficou desapontada quando Jasmine a levou para uma sauna em vez de para um quarto. A sala do lado de fora da sauna tinha uma mesa no canto com duas prateleiras de carvalho cheias de toalhas. Eunice riu interiormente ao ver como ela estava agindo fora do personagem. Ela não era vagabunda nem lésbica, mas algo nessa mulher mudou tudo isso.

Jasmine pegou um guardanapo da prateleira de cima antes de contar a Eunice;

➖Pegue essa toalha e tire a roupa, meu querido. A sauna irá mantê-lo aquecido até eu chegar com roupas secas para você.

Eunice não percebeu o que estava fazendo até tirar a camisa na frente de Jasmine antes de se despir ainda mais. Ela não se virou enquanto se despia, permitindo que a mulher visse seu corpo quando ela terminasse, ela ficou na frente de Jasmine sem tentar se cobrir com seu corpo molhado à mostra.

Enquanto Eunice enrolava lentamente a toalha em volta do corpo enquanto dava um sinal à mulher, ela disse;

➖Jasmine, por que você não deixa minhas roupas de lado por enquanto e se junta a mim? Eu odiaria ficar sozinho apenas com esta toalha.

Ela estava interessada em algo mais.

Jasmine afirmou com um olhar direto no rosto;

➖Não posso no momento, pois tenho outros hóspedes para cuidar, mas prometo voltar antes que você perceba

Doeu seu orgulho ver que a garota rejeitou sua oferta sem fazer nenhum esforço para olhar seu corpo. Eunice se sentiu estúpida por pensar que dormiria com ela só porque a menina era lésbica. Jasmine a queria, mas adorava brincar com sua presa feminina. Jasmine geralmente só vai atrás de garotas heterossexuais porque fica excitada vê-las lutando quando as conhece. Eunice não sabia nada disso sobre Jasmine ou que ela era uma bruxa poderosa que havia criado esta casa para prender involuntariamente garotas heterossexuais como ela.

A casa apareceu em locais diferentes, permitindo apenas a entrada de mulheres para serem seduzidas por Jasmine ou pelas mulheres de lá. A casa coletava energia de seus orgasmos para mantê-la energizada e manter Jasmine jovem. Jasmine era a única mulher real dentro destas paredes e o resto foi criado por um poder.

Eunice teve tempo para pensar e concluiu que seria um erro dormir com aquela mulher. Como não era lésbica, decidiu negar a vontade de experimentar quando Eunice saiu da sauna. A toalha que Eunice usava mal cobria seu corpo, fazendo-a sentir-se quase nua. Ela sentou-se à mesa pensando no que quase havia se metido enquanto esperava Jasmine voltar com suas roupas.

Meia hora depois, Jasmine voltou com as meninas, uma garrafa de vinho, taças e sem roupa. Eunice sentiu-se exposta usando uma pequena toalha que segurava com força. Todas as três garotas eram loiras da mesma idade e com personalidades alegres, e Eunice percebeu que elas não eram tão inocentes quanto pareciam. Eles flertam de forma divertida e perversa enquanto olham para ela com olhos famintos.

Jasmine com um sorriso brilhante disse;

➖Desculpe, mas suas roupas ainda não estavam secas e pensei em trazer algo para você beber. Essas garotas encantadoras se chamam Murielle, Elvira e Jeanne. É divertido tê-los por perto e prometo que você vai adorar.

Elas se juntaram a Eunice ao redor da mesa com Jasmine sentada ao lado dela, e fiel às palavras de Jasmine, as meninas eram divertidas. As meninas às vezes eram engraçadas e Eunice descobriu que gostava muito delas. Eles estavam bebendo vinho e conversando sobre moda, e ela se divertia tanto com eles que esqueceu o guardanapo que estava usando.

Quando ela sentiu a mão de Jasmine em seu joelho, isso trouxe de volta velhos desejos proibidos dentro dela. A mão da mulher estava imóvel a princípio antes de ela começar a massageá-la suavemente com leves carícias. Um arrepio eletrizante percorreu Eunice enquanto seu coração batia forte no peito. Jasmine conversava sobre sapatos com Elvira enquanto brincava com o joelho. Ela sentiu seu corpo congelar e não conseguia se concentrar em nada além do que estava acontecendo com seu joelho.

Quando Eunice sentiu a mão da mulher passar para sua coxa, o mundo inteiro pareceu parar. Por onde quer que os dedos da mulher vagassem, sua pele parecia estar em chamas, enviando uma agradável sensação de queimação em sua virilha. Quanto mais alto sua mão subia, mais Eunice abria as pernas até chegar à ponta da toalha e, antes que pudesse prosseguir, Jasmine a retirou. Eunice soltou um gemido ao sentir sua carne faminta recusar a satisfação que ela tanto precisava.

Eunice entrou em pânico quando suas emoções se tornaram insuportáveis ​​demais para ela aguentar. Quando a mão de Jasmine voltou para sua perna, ela observou com entusiasmo enquanto ela se movia em direção à toalha antes de removê-la, revelando uma mancha espessa de seus pelos pubianos. As batidas de seu coração abafaram todos os outros sons na sala enquanto a mão de Jasmine deslizou entre suas pernas.

Jasmine brincou com seus pelos pubianos entre os dedos enquanto os deslizava lentamente até a abertura de sua barriga. O coração de Eunice parecia que ia explodir em seu peito quando sentiu um dedo entrar em sua boceta. Ela mordeu o lábio inferior para conter um gemido, não querendo que todos soubessem o que Jasmine estava fazendo com ela. Primeiro, havia apenas um, depois dois e, finalmente, três dedos estavam agora dentro dela. Eunice não conseguiu mais esconder, soltando um gemido alto que foi seguido por uma série de gemidos mais altos.

CONTINUA...